Para ouvir, clique Play:

Host, Editor-Chefe, Contínuo, Boss e Office-Boy: Carlos Del Valle

Convidados deste programa:

Sérgio Dias, do Boteco F1

Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

GASOLINA STORE BANNER

FELIPE NASR

Especial Podcast F1 Brasil: Entenda porque a GP2 não Entrega os Campeões que deveria

GP2: 4 vitorias em 68 corridas, 1 para 16

Companheiros de equipe na GP2:

2012 (DAMS, Nasr / Davide Valsecchi): Valsecchi campeão com 247 pontos / Nasr décimo com 95 pontos. Valsecchi estava na sua quinta temporada na GP2.

2013 (Carlin, Nasr / Jolyon Palmer): Nasr quarto no campeonato com 154 pontos, Jolyon Palmer sétimo com 119. Palmer estava no terceiro ano de GP2, sem contar mais dois anos prévios de Fórmula 2.

2014 (Carlin, Nasr / Julián Leal): Nasr terceiro com 224, Julián Leal décimo com 68 pontos. Leal estava no quarto ano de GP2 (vigésimo-sétimo, vigésimo-primeiro, décimo-segundo e décimo).

ATENUANTE: A Carlin não tem tradição na GP2, e os melhores resultados da história da Carlin foram o terceiro e o quarto lugares de Felipe Nasr.

Campeão da tradicional (e falecida) Fórmula 3 Britânica em 2011, vencendo o McLariano Kevin Magnussen.

AGRAVANTE: a Carlin foi campeã da F-3 Britânica em 2008-2009-2010-2011-2012-2013.

Matéria sobre o GP da Hungria do ano passado na GP2:

Linha de chegada com Reginaldo Leme, Courrege e Ico falando sobre o Nasr:

Linha de Chegada com Felipe Massa e Nasr – Parte 01:

Parte 02:

CARLOS SAINZ JR.

Apesar dos sucessos iniciais na Fórmula BMW e Fórmula Renault, Sainz Jr. teve sua carreira em cheque ao apresentar anos ruins na Fórmula 3 e na GP3. Nesta última, Sainz não conseguiu nenhuma vitória em 2013 e ainda por cima viu seu companheiro de equipe Daniil Kvyat ser campeão.

Kvyat foi promovido à F1 e Sainz tentou um recomeço na Word Series by Renault 3.5, e desta vez tudo deu certo: o espanhol foi campeão com autoridade na WSR. Nenhum protegido da Red Bull ainda sido campeão da WSR, nem mesmo Ricciardo e Vergne.

MAX VERSTAPPEN

Será detentor de um recorde: terá apenas 17 anos e 5 meses quando for dada a largada para o GP da Austrália de 2015. O anúncio de sua contratação pela Toro Rosso foi anunciada ainda em agosto de 2014, sendo que um possível interesse da Mercedes poderia ter acelerado as negociações. Apesar de não ter sido campeão da Fórmula 3 Europeia, Max Verstappen venceu dez corridas, sendo seis delas consecutivas no meio do ano, e terminou o campeonato em terceiro. Essa foi a sua primeira temporada em monopostos após ter saído do kart.

Ultrapassagens e melhores momentos de Max Verstappen:

Batida de F1 em demonstração em 2014:

“Salvada” incrível com a Toro Rosso no treino livre em Interlagos:

Anúncio:

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

Curta nossa página no Facebook

Confira nossas camisetas de F1 na Gasolina Store

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

16 comentários

Mateus Gomes · 22 de fevereiro de 2015 às 23:17

#jumpstart

De todos os rookies, aposto minhas fichas no Nasr mesmo, sem “pachequismo” mas acredito que ele tem uum conjunto de habilidades adquiridas em sua curta carreira, que vai lhe dar uma dianteira sobre os demais.
Mas é só um palpite, td pode rolar

    Carlos Del Valle · 24 de fevereiro de 2015 às 16:43

    Em termos de pontos, acho que pode ser complicado para o Nasr. Mas em termos de “ter suas ações valorizadas”, acho que o brasileiro pode ser o que termine melhor o ano, basta vencer Ericsson de forma insofismável.

Sr.Roberto Deniro · 22 de fevereiro de 2015 às 23:49

Boa canalhada

R7 Sports · 23 de fevereiro de 2015 às 0:09

Qual o nome da música que toca no final do podcast ?

    william · 23 de fevereiro de 2015 às 11:14

    Boa pergunta!

      Carlos Del Valle · 24 de fevereiro de 2015 às 16:44

      Olá William (Will I am)! É “Summertime”, do Brother Love. O site dele é http://www.brotherloverocks.com e essa música é do Album of the Year… abraço

        william · 2 de março de 2015 às 15:07

        Valeu!

    Fabiano Forte · 24 de fevereiro de 2015 às 9:15

    “Summertime”, do Brother Love, algo assim

    Carlos Del Valle · 24 de fevereiro de 2015 às 16:44

    Olá! É “Summertime”, do Brother Love. O site dele é http://www.brotherloverocks.com e essa música é do Album of the Year… abraço

Fabiano Forte · 24 de fevereiro de 2015 às 9:17

Me parece que o conjunto mais equilibrado entre carro e piloto é a Toro Rosso com o Sainz Jr. Verstappen é moleque demais, Nasr não tem um carro lá muito bom.

Tiago Oliveira · 24 de fevereiro de 2015 às 12:35

A minha aposta iria pro Verstappen, mas com um pé atrás. O moleque ja mostrou que de politica é bom, e parece estar confiante, tem feito bons tempos, e o carro é competente. O Sainz Jr me lembra demais o Piquet Jr, em tudo. O Nasr é um piloto razoavel, se sua carreira na GP2 ficou devendo, tambem nao foi um desastre completo, em 2012 ele era o segundo piloto de uma equipe que tem ganhado seus titulos se concentrando no cara mais experiente e o segundo piloto como coadjuvante, em 2013 arriscou ir/voltar pra Carlin pra ter certeza de ser o centro das atencoes e o titulo escapou miseravelmente mas ele se mostrou (na minha opiniao) o melhor piloto, sendo bastante consistente e apostando numa estrategia de comer pelas beiradas que nao funcionou, principalmente por nao ter ganhado nenhuma corrida, apesar de ter passado muito perto no Bahrein e na Espanha. 2014 ele resolveu atacar mais, ganhou 3, mas ficou pra trás vencido pela velha formula da DAMS, por algumas trapalhadas da equipe, e por uma sorte as vezes inacreditavel que o Palmer teve. Mas ele está com a pecha de “amarelar”, e vai ter que se livrar disso.
De qualquer forma qualquer um desses estreantes, nenhum tá vindo com um brilho garantido, convencendo por todos os lugares que ja passou e provando que merece mais do que ninguem estar lá, entao tudo pode acontecer, e isso será uma das delicias da temporada 2015.

    Carlos Del Valle · 24 de fevereiro de 2015 às 16:46

    Oi Thiago, interessante esse paralelo entre os “juniores” Piquet e Sainz. O soluço que o Carlos deu no meio da carreira foi grave. Se o fraldinha Max ganhar dele, será o fim do espanhol e o início da lenda (e da pressão) para o holandês nascido próximo de Spa.

      Tiago Oliveira · 25 de fevereiro de 2015 às 11:43

      Essa propaganda de “é bom pq nasceu perto de Spa” já foi usada por um outro novato queixudo, e deu até certo.

Domingos lins · 24 de fevereiro de 2015 às 18:13

Depois do programa me peguei tentando por em perspectiva o quão jovem é o filho do Joss the boss. Resolvi ver em que ano estreariam algumas lendas da formula 1 se elas chegassem na categoria aos 17 anos:
Ayrton Senna-> estrearia em 1977 (7 anos antes);
Alain Prost->1972 (8 anos antes);
Nelson Piquet-> 1969 (9 anos antes);
Nigel Mansell-> 1970 (10 anos antes);
Michael Schumacher-> 1986 (5 anos antes);
Gilles Villeneuve-> 1967 (10 anos antes);
Emerson Fittipaldi-> 1963 (7 anos antes).

    Carlos Del Valle · 24 de fevereiro de 2015 às 18:50

    Rapaz, que comentário incrível! Muito interessante mesmo… Vou colocar na nossa fan page com atribuição a seu nome Domingos, obrigado! 🙂

Estreantes: Aprenda sobre o Pessoal da Segunda Chamada (Will Stevens, Roberto Mehri) - Podcast F1 Brasil · 10 de março de 2015 às 15:53

[…] Fórmula 1. O anúncio foi tão tardio que nem sequer puderam ter o privilégio de figurar no nosso Especial Estreantes 2015, que só falou sobre Nasr, Verstappen e […]

Deixe seu Comentário