Para ouvir, clique Play:

Host, Boss, Timoneiro, Contínuo, Editor-Chefe, Asno Volante e Office-Boy:  Carlos Del Valle

Convidados deste programa:

Sérgio Dias, do Boteco F1

Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

 

GASOLINA-STORE-BANNER-JPEG

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

CAPÍTULOS PRÉVIOS:

Parte 1 – nº 28
Parte 2 – nº 53
Parte 3 – nº 78
Parte 4 – nº 105

2005

Após cinco títulos seguidos, Schumacher terminou num distante terceiro, atrás de Alonso e Räikkönen (133 / 112 / 62)

Razão para isso: regra proibindo troca de pneus durante a corrida. Permitido apenas em caso de furo. Se trocasse sem estar furado, teria um minuto acrescentado a seu tempo. Em nenhum momento a Bridgestone conseguiu oferecer nenhuma resistência à Michelin, que conseguiu fornecer pneus duráveis e ao mesmo tempo rápidos para Renault, McLaren e Williams, entre outras.

Corrida inesquecível com a vitória de Alonso sobre Schumacher em San Marino. O espanhol terminou aprova há apenas 0.2 segundos do alemão:

Último da dupla Schumacher / Barrichello. Ano da pendenga em Mônaco, em que Schumacher ultrapassou Rubens na última volta. Barrichello perdeu nos pontos de 62 a 38, apesar de quatro pódios contra três de Schumacher.

Vitória de Schumacher no infame GP dos Estados Unidos em Indianápolis, aquele em que largaram apenas os seis carros que usavam pneus Bridgestone.

2006

Um ano bastante diferente, com Schumacher lutando pelo título contra Alonso até a última corrida, chegando a praticamente ter o título nas mãos até a penúltima corrida.

Mudou o companheiro de equipe Rubens Barrichello para Felipe Massa.

2006 SCHUMACHER MASSA FERRARI

Mudanças nas regras: as trocas de pneus voltaram a ser permitidas, dando origem a uma intensa guerra de pneus entre Bridgestone e Michelin. A Ferrari usava Bridgestone e a Renault usava Michelin.

Batalha Schumacher x Alonso: seis vitórias para cada um.

A pole em San Marino foi a de número 66, quando o alemão quebrou o recorde de 12 anos de Ayrton Senna.

Ano no qual Schumacher marcou a pole e largou do fim do grid por deixar o carro no meio da Rascasse para atrapalhar a volta de Fernando Alonso:

Após a nona corrida, que foi o GP do Canadá, Alonso tinha aberto 25 pontos para Schumacher, o que equivalia a mais de duas vitórias (nesse ano o sistema era 10 pontos para a vitória e 8 para o segundo). Mas Schumacher e a Ferrari iniciaram uma reação, vencendo três corridas seguidas em Indianapolis, Magny Cours e Hockenheim.

Polêmica clássica: a FIA havia autorizado o sistema de amortecedor de massa da Renault antes da temporada de 2006 começar, mas resolveu proibir o sistema após o GP da França. A partir do GP da Alemanha, a Renault caiu bastante de rendimento, vencendo apenas uma das sete corridas restantes (e ainda uma vitória herdada de Michael Schumacher).

Amortecedor de massa: equipamento projetado inicialmente para carros de F1 com o objetivo de manter a asa dianteira e o chassi do F1 a uma altura estável e constante do solo, evitando ao máximo que o mesmo oscile acompanhando as ondulações da pista. (Tá certo?)

Após a antepenúltima corrida na China, Schumacher tinha conseguido tirar a diferença de 25 pontos para Alonso, e empatou no campeonato 116 a 116.

Em Suzuka, penúltima corrida, dobradinha da Ferrari no grid, com Massa e Schumacher. Schumacher assumiu a liderança e disparou na frente, tinha a corrida sob controle, mas seu motor teve uma falha catastrófica, a primeira após mais de seis anos (a última tinha sido em Magny Cours no ano 2000). Alonso herdou a vitória e voltou a abrir 10 pontos antes da última corrida. Apenas um desastre de Alonso salvaria Michael Schumacher de perder a disputa pelo título.

Cena que nunca esqueci. Michael fez questão de agradecer cada mecânico da equipe, assim como fez na conquista do primeiro título com a scuderia em 2000:

E o clássico Grande Prêmio do Brasil onde largou em 10º, teve o pneu furado pela asa do Fisichella e ainda chegou em 4º:

A Ferrari anunciou sua saída após o GP da Itália oficializando Michael como Assessor. E ainda ajudou no desenvolvimento de carros e quase substituiu Felipe Massa após o acidente do brasileiro na Hungria em 2009.

Grande questão deste programa: porque aposentou? Foi uma decisão certa? Como teria sido em 2007? Eu Carlos Del Valle digo minha opinião fecal: aposentou cedo demais. Tinha lenha para queimar. Poderia ter sido campeão em 07-08.

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

GASOLINA-STORE-BANNER-JPEG

Email: contato@podcastf1brasil.com.br

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

10 comentários

Cristiano Seixas · 1 de junho de 2015 às 0:00

Finalmente um jump start ?
Acho que vou estacionar na rascasse e tomar uma água !!!!

Tutu · 1 de junho de 2015 às 0:15

Um sonho se realizou finaaalmente a 5 parteeee
Obs:Neste jump start fui um rubens/massa ;-; fui

rubens.docx (@rubensGPnetto) · 1 de junho de 2015 às 0:26

Excelente!!! Agora farei uma playlist (com os especiais do Schumi) digna pré GP do Canadá!!!

Gabriel Narukami · 1 de junho de 2015 às 0:56

Podcast sem fone a meia noite n da :v , só amanha :v

Andre Tachibana Kranz · 1 de junho de 2015 às 11:59

Parabéns pelo ótimo cast, entrou na lista dos melhores

joão Vítor · 1 de junho de 2015 às 12:20

a melhor série,vou ouvir todos
tomara que logo saia a parte 6

R7 Sports · 1 de junho de 2015 às 18:30

Fiz um Vídeo a história da Scuderia Ferrari dem uma olhada se possível

R7 Sports · 2 de junho de 2015 às 12:57

Deixe seu Comentário