Para ouvir, clique Play:

Host, Boss, Timoneiro, Contínuo, Editor-Chefe, Asno Volante e Office-Boy:  Carlos Del Valle

Convidados deste programa:

Sérgio Dias, do Boteco F1

Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

Joshué Fusinato, autor de vários artigos no Podcast F1 Brasil

podcast patreon 550

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

TROFÉU JUMP START

PATREON: saudações a nossos patronos Leandro de Souza, Eduardo Martins, Rubens Netto, Débora Almeida, Thiago Vilela, Marco Oliveira, Wreygan Gomes, Mateus Ferreira, Douglas Kaucz, Bernard Port, André Lima, Diego Proença, Marco Santo, Antonio Cordeiro, Carlos Nascimento, Cesar Augusto e William Schlichting. Você também pode colaborar com o Podcast F1 Brasil, com quantias a partir de 1 Obama/mês.

CADUNS (Campeonato de Duplas pela Nova Schin)

Caduns 2: Valesi/Kimi x Del Valle/Button

Caduns 3: Siverly Contra-Ataca (Delvas/Nasr x Valesi/Sainz x Siverly/Verstappen)

CORNETA DE CONSTRUTORES

hamilton roda com roda ric

TÓPICOS:

Hamilton: largada ruim e erro bobo na primeira volta, indo parar em décimo lugar. Remou tudo e fez outra burrada na relargada. Indicação para “Triplo Asno Carpado”

Maldonado: não podia acontecer nada diferente na dividida com Perez… E mais duas punições durante a corrida

Massa: punição por estacionar errado no grid, corrida ruim no geral

Force India e o perigo de seus carros: falha catrastrófica de asa dianteira com Hulk na corrida e falha catastrófica de suspensão com Perez na sexta-feira

Rádios com som esquisitíssimo: parecem ter deixado o reverb ligado

Vettel: mais uma linda vitória pela Ferrari, desse grande e predestinado gênio. Dedicou a corrida pelo rádio ao pai de Jules Bianchi

McLaren: Alonso e Button nos pontos

Kvyat e Ricciardo no pódio

Daniel Ricciardo: após uma largada complicada e primeira volta difícil, fez uma sólida corrida entre os cinco primeiros

Kimi: uma rara ocasião em que conseguiu acompanhar Vettel mais de perto, pelo menos até ter falha de motor

Verstappen em quarto, numa corrida relativamente limpa

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

GASOLINA-STORE-BANNER-JPEG

Email: contato@podcastf1brasil.com.br

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Categorias: Podcast

Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

23 comentários

Sra. Flowers (@DehFlowers) · 27 de julho de 2015 às 0:54

Gril Power³
Combinação perfeita do Dark Horse e o Touro com Asas!
Vettel sempre surpeendendo, mostrando que homem e máquima podem se tornar um só e mostrar o seu poder em pista.
As Mercedes fogem quando um homem bom vai à Guerra!

Gabriel Narukami · 27 de julho de 2015 às 0:55

Essa garota ta roubando meus JS! :v

Valesi · 27 de julho de 2015 às 0:56

HAHAHA; dia de vitória de Vettel, só podia dar a Deborah no Jump Start!

João Vítor Dieter Hafemann · 27 de julho de 2015 às 0:57

2:00 sei, ne´rubens

Lucas (Braziliam F1 Team) · 27 de julho de 2015 às 1:07

Só de saber que a Mercedes não subiu no pódio já fez o domingo ser o melhor da temporada!

Rodrigo · 27 de julho de 2015 às 1:25

Nossa, o George Foreman Grill foi jump start! Parabéns!

Leonardo Saldanha · 27 de julho de 2015 às 2:12

Cheguei tarde pq tava ajudando o Maldonado a pagar punições. Não posso deixar de lembrar o Galvão preocupado com o Nasser enquanto o Ricciardo atacava o rosberg. Kkkkkkk

Mauricio Maciel · 27 de julho de 2015 às 11:15

Excelente podcast, e acho que o Rosberg teve o que mereceu se ele tivesse colocado o pneu macio na segunda parada teria ido para cima do Vetel e não ficar a merce do Ricciardo, pelo menos para meu gosto eu prefiro o Hamilton errando mas pelo menos tentando do que o Nico que prefere ficar pensado nos pontos e não tem ousadia de ir para cima.

    Carlos Del Valle · 30 de julho de 2015 às 18:55

    COncordo com sua leitura Mauricio, o Rosberg pecou por ser extremamente conservador

    Valesi · 30 de julho de 2015 às 21:51

    O problema é que quando Rosberg parou ele ainda tinha 25 voltas, e sem o SC o pneu não duraria tudo isto. Concordo que ele não teria brigado com o Ricciardo nestas condições, mas acho que ele pensou que era melhor um pássaro na mão (hehehe)

Marcio Neves · 27 de julho de 2015 às 12:37

Vamos estudar as regras, meu povo 😀

Sobre os pontos na carteira: se o piloto somar 10 pontos em 12 meses, ele não é banido, e sim SUSPENSO da próxima corrida. Mas a equipe ainda pode competir utilizando os reservas 😉

E outra: com os pontos dessa corrida o Grosjean somaria no máximo 4 pontos (vai depender se algum dos pontos do ano passado já expiraram). Já o Maldonado, esse sim pode chegar nos 10 pontos, se nenhum dos do ano passado expirou, pois ele fechou Abu Dahbi com 5 pontos. Com os outros cinco deste ano, olha aí, olha aí 😀

    Valesi · 30 de julho de 2015 às 21:53

    Olha lá! Sabia que você iria nos contar essa, Marcio!
    Mas então eu fecho minha opinião: o piloto tomar pontos por unsafe release, que é uma falha só da equipe, é injusto.

Guilherme Brito · 27 de julho de 2015 às 12:41

Chefes, o Schumacher chorou quando igualou o número de poles do Senna, e não de vitórias (*barulhinho de canelada*)! Mais um podcaste sensacional! Sou muito fã! Forte abraço para todos!

    Guilherme Brito · 27 de julho de 2015 às 12:44

    Retificando: Canelada pra mim, Acabei de verificar no Google! rs Abraços

Carlitos Massarico · 27 de julho de 2015 às 15:35

Maravilha de discussão mais uma vez, galera! Acho que só passaram reto duas coisas que achei “fora da curva”:

1) O Rosberg ter escolhido pneus médios para a última perna da corrida me pareceu uma péssima escolha. Acho (e só acho) que ele teria condições de brigar com o Vettel depois da relargada – e, por consequência, não teria passado pela pataquada com o Ricciardo se tivesse escolhido os macios.

2) O Ricciardo fez a melhor volta da corrida, mesmo com aquela asa toda esmigalhada – o que é ainda mais incrível em uma pista como Hungaroring, que exige muito do pacote aerodinâmico.

E abre o olho, Ferrari! Esse Bottas não tá com nada! Hulk é muito mais por muito menos! hahaha

Por fim, nem sou ferrarista, mas estava tão animado em ver que a Mercedes comeria poeira que fiquei puto quando aquele Safety Car colocou o Rosberg na briga de novo. Cheguei até a fazer uma promessa a qual eu me arrependeria logo depois: se a Mercedes vencesse esta corrida, depois de todas as cagadas, eu não assistiria F1 mais esta temporada. Enfim, valeu, Ricciardo! hahaha

Mateus Ferreira · 27 de julho de 2015 às 16:23

Que corrida fantástica… O programa esteve à altura.

André Saraiva · 27 de julho de 2015 às 21:15

Acabei de ouvir. O Valesi, ao combinar usar o exemplo do pôquer, definiu o Hamilton com perfeição.

    Valesi · 30 de julho de 2015 às 21:54

    Pior que eu sou meio assim no pano verde, André. Mas estou tentando melhorar. Pelo menos não dou mais tilt.

Tiago Oliveira · 28 de julho de 2015 às 6:27

Os segredos da Hungria chamam-se Palinka (A aguardente deles), somado à mulheres maravilhosas, talvez as mais gatas da Europa. Imaginem as Grid Girls…

Sou eu que tomei palinka demais no último fds ou essa pista acabou se adaptando muito bem aos carros da atual geracao? Nao houveram corridas chatas hungaras desde 2010, sempre tem surpresas, ultrapassagens, estratégias desastrosas. Coisas que antigamente eram bem dificeis de se ver nos descampados magiares.

Gerra Guedes Jr · 30 de julho de 2015 às 14:48

Nobres, vamos fazer justiça…

Bom, primeiramente obrigado por corrigirem mais um erro do Bueno, que disse e redisse que o Daniil havia furado o pneu do Bottas – sendo que foi o Max que o havia feito. Em quase todos os momentos em que aparecia o Toro, o Global afirmava que era o Bull.

Agora o ponto para a errata: o Kvyat apareceu mais do que foi relatado por vocês – quase que apenas no pódio.

O erro talvez veio embalado pela narração do Global.

Reparem que na volta 49 (saída do SC) o Ricciardo passou o Lewis entre a curva 1 e a 2, e deixou para trás o bolo formado por 44, 77, 26, e 33 nesta ordem. Até aí tudo bem.

Após a ultrapassagem (o lance do Lewis achando que ao invés do volante estava portando um joystick), o Ricciardo abriu vantagem ao ponto do Lewis ficar mais para a galera que vinha atrás do que para o Australiano.

A TV deu uns cortes que não facilitaram muito o entendimento da treta, mas após na pequena reta que vem depois da curva 3, o Daniil ultrapassa o Bottas e vai para cima do Lewis, que por causa do dano no spoiler dianteiro espalhou na curva e o Kvyat foi junto para fora da pista.

Ou seja: o russo passou o finlandês e foi para cima do inglês, botou o carro de lado num ponto não muito favorável para ultrapassar (Hungria…), o inglês escapou e quase repetiu o ocorrido algumas curvas antes (só que multiplicado por -1), mas o Daniil espalhou mais ainda o carro e conseguiu voltar na frente.

O Ricciardo não viu isso nem no retrovisor.

    Carlos Del Valle · 30 de julho de 2015 às 18:13

    Realmente esse Furdunço RIC HAM BOT KVY foi para dar cambalhota no sofá…

      Gerra Guedes Jr · 31 de julho de 2015 às 9:45

      hehehe
      Salvo a irritação com os equívocos Globais, foi empolgante ver a treta!

Deixe seu Comentário