Para ouvir, clique Play:

Host, Boss, Timoneiro, Contínuo, Editor-Chefe, Asno Volante e Office-Boy:  Carlos Del Valle

ferrari shark grid

Convidados deste programa:

Sérgio Siverly, do Boteco F1

Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

Thiago Raposo, do Café com Velocidade

Fernando Campos, que pilota o Instagram do PF1BR

podcast patreon 550

Nosso sinceros agradecimentos a nossos amigos que ajudam nosso projeto no PATREON! Saudações a nossos patronos Leandro de Souza, Eduardo Martins, Rubens Netto, Débora Almeida, Thiago Vilela, Marco Oliveira, Wreygan Gomes, Mateus Ferreira, Douglas Kaucz, Bernard Port, André Lima, Bruno da Mata, Anthony Santos, Diego Proença, Marco Santo, Antonio Cordeiro, Carlos Nascimento, Cesar Augusto e William Schlichting. Você também pode colaborar com o Podcast F1 Brasil, com quantias a partir de 1 Obama/mês.

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

1950: domínio da rival

Ferrari: única equipe que participou de todos os campeonatos de Fórmula 1, desde 1950. Um detalhe: a equipe não participou da primeira corrida da história da F1, o GP da Inglaterra de 1950, mas participou do restante da temporada. A Scuderia não foi à corrida em Silverstone porque ainda não tinha chegado a um acordo sobre o dinheiro que cada equipe receberia.

O carro usado em 1950 foi o 125 F1, com motor de 1,5 litro sobrealimentado com compressor mecânico, e os pilotos eram os experientes Alberto Ascari e Luigi Villoresi. Foi um ano dominado pela rival Alfa Romeo, que venceu todas as corridas com seus pilotos Nino Farina e Juan Manuel Fangio (exceto a Indy 500, que contava para o campeonato mas não teve a presença da Alfa Romeo).

1951: Primeira vitória

Para a temporada de 1951, a Ferrari apostou em motores aspirados de maior deslocamento, no caso o V12 de 4,5 litros. Além de Ascari e Villoresi, a equipe ainda usou mais dois carros, com Piero Taruffi e o argentino José Froilán Gonzalez. Foi justamente Froilán Gonzalez, o ‘Touro dos Pampas”, que conquistou a primeira vitória da Ferrari na Fórmula 1, no GP da Inglaterra em Silverstone.

a ferrari 125

1952 e 1953: Primeiros títulos

A Alfa Romeo abandonou a F1 ao final de 1951. A FIA mudou a regra para a chamada Fórmula 2, senão não haveria competidores suficientes. A Ferrari tinha pronta a Ferrari Tipo 500, com motor 2.0 de quatro cilindros, e foi campeã com Alberto Ascari. No ano seguinte, Ascari também dominou e garantiu o bicampeonato. Fica a ironia: a Ferrari substituiu o domínio da Alfa Romeo, mas acabou só sendo campeã quando a Alfa saiu das pistas.

1954 e 1955: Anos difíceis

As novas regras para 1954 não deram tão certo para a Ferrari. Foram permitidos motores de 2,5 litros, e os carros da Scuderia não foram páreo para Mercedes e Maserati. Fangio venceu os dois títulos.

 

ferrari-125

1956: Fangio

Por conta do acidente trágico em Le Mans em 1955, a Mercedes abandonou as competições, e Fangio foi para a Ferrari. E a Scuderia ainda se beneficiou de outra tragédia: Ascari vinha trabalhando com a Lancia, que tinha um excelente e moderno chassis, chamado D50. Ascari morreu em Monza (na curva que se chama hoje Ascari), e a Lancia, que já vinha com dificuldades, acabou encerrando as atividades. Enzo comprou os chassis D50 da Lancia e Fangio foi campeão pela Scuderia Ferrari na temporada de 1956. O carro é chamado às vezes de Lancia-Ferrari D50 ou às vezes de Ferrari D50.

Ainda em 1956: Falecimento de Dino

O filho de Enzo, Dino, morre de distrofia muscular. Ferrari tinha mantido seu filho envolvido no projeto de um novo V6 de 1500cc até o fim de sua vida. O motor finalmente estréia 10 meses após a morte de Dino, no entanto, ele e todos os motores V6 da companhia são nomeados em sua honra.

1958: Mike Hawthorn campeão pela Scuderia

Para 1957, o chassis D50 foi superado pelos concorrentes, e a Ferrari teve um ano muito ruim. Para 1958, a Ferrari usou justamente o motor V6 de 2,5 litros concebido por Dino Ferrari, e foi campeã, numa temporada extremamente disputada e trágica. Quatro pilotos morreram em corridas da temporada, e o próprio campeão, Mike Hawthorn, morreu num acidente de carro em estrada depois do campeonato.

1961: Nariz de Tubarão 

A Ferrari foi muito mal em 1959 e 1960, competindo contra os britânicos da Cooper, que tinham motor central-traseiro. As regras convenientemente mudaram para 1961, e os motores deveriam ser novamente de Fórmula 2, aspirados e com apenas um litro e meio. A Scuderia tinha um carro de F2 prontinho, e foi campeã com as Ferrari 156, apelidadas de “nariz de tubarão”. O piloto campeão foi Phil Hill, de maneira trágica: o líder do campeonato também era da Scuderia, Wolfgang von Trips, que morreu na penúltima corrida em Monza. Phil Hill venceu a corrida e foi campeão. Vídeo com o acidente de von Trips (sugerimos cautela aos mais sensíveis):

1964: Surtees

Os anos de 1962 e 1963 foram ruins, mas para 1964 a Ferrari usou um novo motor V8 de um litro e meio no lugar do Dino V6. O carro acabou sendo muito bom, com um trio de pilotos famoso: John Surtees, Lorenzo Bandini e Pedro Rodriguez. No fim, Surtees foi campeão vencendo Graham Hill e Jim Clark na última corrida, com ajuda do companheiro de equipe Bandini, que abriu passagem para Surtees. Depois desse título de Surtess em 1964, a Ferrari iniciou uma fase difícil. Só voltaria a ser campeã com Niki Lauda 11 anos depois, em 1975.

Surtees Ferrari 158 Goodwood July 2010

1960 até 1969 em Le Mans: Ferrari vs Ford

A Ferrari foi hexacampeã em Le Mans, de 1960 até 1965. A Ford venceria nos quatro anos seguintes, de 1966 a 1969. A vitória da Ferrari em 1965 foi a última vitória geral da Scuderia no circuito francês.

1969: Aliança com a Fiat

Enzo Ferrari, ciente de que precisa de café no bule para enfrentar nas pistas as grandes corporações, assina um acordo com o Grupo Fiat, dando-lhe uma participação de 50% nas ações da empresa.

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

GASOLINA-STORE-BANNER-JPEG

Email: contato@podcastf1brasil.com.br

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

16 comentários

Alex Pedroni · 10 de agosto de 2015 às 1:19

É hoje que consigo

    Cláudio alves · 10 de agosto de 2015 às 1:21

    First!!! Alex!!

Cláudio alves · 10 de agosto de 2015 às 1:20

Vamos ouvir! Jump start?!??

    Alex Pedroni · 10 de agosto de 2015 às 1:25

    Abri o site na hora exata. kkkkkkkkk

    Vou começar a ouvir agora.

João Vítor · 10 de agosto de 2015 às 1:22

Eu sou o Chris amon dos jump

João Vítor · 10 de agosto de 2015 às 1:27

Eu particularmente acho essa Ferrari 1961 uma das mais lindas

Valesi · 10 de agosto de 2015 às 6:25

Galera rápida por aqui.

joão vitor · 10 de agosto de 2015 às 12:43

Voltei pra dizer que no próximo capítulo o Enzo Ferrari vai reclamar que aerodinâmica é para quem não sabe fazer motor

    Joshué Fusinato · 11 de agosto de 2015 às 11:33

    Spoiler!

joão Vitor · 10 de agosto de 2015 às 13:12

a unica coisa que poderia melhorar é a pronuncia do Delvas nos nomes ”Wolfgang von Trips” e ”Graham Hill” fica a dica

Bruno Escarim (KartBuzz Podcast) · 12 de agosto de 2015 às 11:55

Mais um episódio sensacional! Muito show mesmo essa série que vocês estão nos presenteando.

A F1 do início devia ser uma coisa de louco. Piloto sem cinto, carros sensacionais (o bico de tubarão é lindo mesmo), pistas de rua, etc…

Fico imaginando como deveria ser essa coisa da relação diversão x grana.

Será que não correram por que a fatia do bolo não estava sendo repassada de acordo ou por que o carro não era competitivo?

Será que a coisa toda rolava por conta da grana como hoje ou por ego de ser o melhor, ter o melhor motor, o melhor chassi?

Muito bom….parabéns!

Lucas Pereira Martins · 12 de agosto de 2015 às 12:03

Só pelo detalhe: Depois do nosso host foi reclamar do Surtees não ter nenhum título de nobreza, cai em campo atrás de descobrir alguma coisa e é o seguinte: Surtees é inglês. E tem um título de nobreza sim! O OBE, Oficial da Ordem do Império Britânico. Entretanto, ele não é um Sir. Um sir, já é da titularidade de Barão pra cima.

    Lucas Pereira Martins · 12 de agosto de 2015 às 12:05

    Efeméride: Bernie Ecclestone foi estudado para receber o título de Sir, entretanto, quem leu a biografia sabe dos… movimentos do BOSS enquanto comandante supremo da F1 e o título não rolou.

rubens.exe (@rubensGPnetto) · 12 de agosto de 2015 às 12:53

Parabéns!!!! Adorei… épico!!!

Um programa com mais sotaques italiano que novela do Benedito Ruy Barbosa!!! (vide Rei do Gado)

Um efusivo abraço!!!

    Carlos Del Valle · 12 de agosto de 2015 às 16:18

    Judite! A funcionária do Berdinazzi!

Deixe uma resposta para rubens.exe (@rubensGPnetto) Cancelar resposta