Para ouvir, clique Play:

Esse podcast foi editado por Monkey Seat Podcast & Multimídia

Host dessa edição:

Sérgio Siverly, do Boteco F1

Convidados deste programa:

Fernando Campos, do Boteco F1 e Instagram do Podcast F1 Brasil

Erika Prado,  profissional da área do Marketing

Nossos sinceros agradecimentos a nossos amigos que ajudam nosso projeto no PATREON e no PADRIM! Saudações a nossos patronos Bruno Debesa, Renato Pope, Pablo Ocerin, Alexandre Pires, Leandro de Souza, Bruno Shinosaki Fim do Grid, Ricardo Bunnyman Soares, Marco Robson Oliveira, Wreygan Gomes, Bernard Port, Leandro da Paz Lopes, Kerllon Teodoro, Cristiano Seixas, Luciano Castilhos, Claudio Alves, Diego Proença, Marco Santo, Alisio Menezes, Cesar Augusto, Celso Resende, Felipe Laranjeira, Joanir Pletsch. Você também pode colaborar com o Podcast F1 Brasil, com quantias a partir de 1 Obama/mês ou 3 reais/mês, os links estão logo abaixo!

Nosso Patreon:

podcast patreon 550
Nosso Padrim:

padrim vermelho

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

Faça parte da nossa Liga Conjunta no Bolão do GP Predictor: Podcast F1 Brasil e Boteco F1 

Nosso canal do YouTube:

logo roda com roda youtube red bull

Confira nossas camisetas de F1 na Gasolina Store:

Curta nossa fanpage no Facebook

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

 


Sérgio Siverly

O menino que ficava em frente da tv com um prato fingindo ser um piloto nos anos 1990 e o diabo necessário por trás do Boteco F1 no YouTube. ;)

10 comentários

Raphael Wilker · 8 de setembro de 2016 às 13:01

Borá ouvir XD

Joanir Pletsch · 8 de setembro de 2016 às 15:30

Tomara que os americanos deem uma boa mexida na F1! Muitas categorias deveriam aprender com os americanos, até as brasileiras! Já fui em corridas da Stock Car e, infelizmente, a experiência não é das melhores, e tem quem sabe disso, vide a Red Bull que tá de saída da Stock!
Que os americanos mudem a F1 e dessa forma consigam trazer mais montadoras, mais pilotos e consequentemente ter melhores corridas.

    Sérgio Siverly · 9 de setembro de 2016 às 11:17

    Para eventos bem feitos, ninguém no mundo consegue bater os americanos. Eles são perfeitos para isso. 😉

osvaldo junior · 8 de setembro de 2016 às 19:21

Na verdade eu acho que a F1 tem que ser transmitida na tv aberta e fechada , a globo ganharia muito mais transmitindo na fechada e usando canais extras para onboards ou mosaicos , afinal mesmo nao cobrando um extra do assinante ela poderia vender espaço nestes canais

    Sérgio Siverly · 9 de setembro de 2016 às 11:21

    Eu li que a Liberty City está pensando muito no streaming. Vamos ver o que acontece. 😉

      Pedro Santos · 25 de setembro de 2016 às 18:38

      Liberty Media! Hahahaha…! Liberty City é do GTA! Hahahaha…!

Rodrigo amorim de araujo · 8 de setembro de 2016 às 21:08

Acho que a venda da f1 pode ser positiva pois como a erika disse que nao tem muito amigos que ve f1 eu tb nao e hj minha forma de debate a f1 e com vcs .e quero muito que a f1 vire um esporte atrativo que possa falar mais de f1 com meus amigos . Hj se eu falar do ricardo o piloto da f1 muitos nao vao saber que er.

Gustavo Guedes · 11 de setembro de 2016 às 4:44

Muito bom episódio. Falando um pouco sobre marketing da FOM, da pra dizer até que a relação FOM/fã não vem muito bem de uns anos pra cá. não só pelos preços dos ingressos (poxa, fiquei surpreso de ver o gramado Spa vazio), mas pela mudanças do regulamento que vem ocorrendo. Temos essa grande mudança nos carros para o ano que vem. Mas tivemos esse ano a regra do qualy, que não durou 5 corridas direito. Acho foi ano passado que alguma outra regra que teve de ser alterada por mobilização do público e até dos próprios pilotos. Isso tudo cria uma imagem confusa e negativa pra marca F1, não para a FOM. E não precisa cruzar o Atlântico pra ver um bom exemplo de marketing nas redes sociais. O proprio WEC produz muito material bacana, fazendo transmissão ao vivo no meio da madrugada, mostrando premiação de corridas. A Formula-E também faz muita coisa assim. E aproveitam muito o gancho dos próprios pilotos que sempre divulgam a rotina dentro do paddock. A F1 tem muito a crescer com a abertura pro mercado, talvez essa entrada na Heineken na jogada mude um pouco esse parâmetro.

Deixe seu Comentário