Vocês vão notar que o áudio do host Carlos Del Valle tem algumas passagens com pequenas sílabas atropeladas ou omitidas. Tudo bem que ele estava empolgado na gravação, mas neste caso foi apenas um experimento mal-sucedido no tratamento do áudio. Não deve comprometer a experiência. Enjoy.

Para ouvir, clique Play:

Edição número 58 do PF1BR, com o GP da Austrália de 2014, em Melbourne.

massa koba

Host: Carlos Del Valle

Convidados deste programa:

Eduardo Casola Filho, do F1 Social Club

Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

Sérgio Siverly, do Boteco F1

Neste programa estão incluídos os resultados da enquete dos Troféus, esperamos que você tenha votado, se não votou, Sepang está aí…

Feedback dos ouvintes. Patetices habituais nas sobras de gravação no fim do programa.

Kamui Kobayashi: falha mecânica ou manobra banzai?

O Efeito Submarino de Adrian Newey

Lotus: inferno astral

Cadê o Troféu Mega-Ultrapssagem?

Transmissão Globo: rádios pedalados, repórter perdido

Carros silenciosos, rádios mais fáceis

Barulho dos motores Turbo

Kimi Räikkönen: lento, sonolento e desatento?

Marussia – dupla largada do pit lane…

Chiton no fim décimo-terceiro

Williams – entregou menos do que devia?

Bottas: de melhor piloto a Asno e de volta e melhor piloto?

Magnussen: “apenas” estréia com pódio

A emoção do papai Jan Magnussen

A emoção do papai Jan Magnussen

Ricciardo: mostrando a caixa de ferramentas (e os dentes, claro)

Ricciardo desclassificado (fluxo de combustível)

Red Bull: culpa do sensor da FIA? Vai recuperar o troféu?

Vettel e Red Bull: lutarão pelo campeonato?

Hamilton: competindo com Massa pela urucubaca?

Rosberg: irrepreensível ou sofrendo o “efeito Vettel”?

Hulk Esmaga?

Fernando Alonso: maximizando

Kvyat: “apenas” estréia nos pontos

Button: remando até o pódio, com a McLaren “circuncisada”

Button: um certo “rabo” no timing do safety car?

Vergne: sólido? Ou alvo para o filho do Venceslau?

Arquivo Torrent da corrida em português (pelo amigo ouvinte Afonso Gentil)

Update: aposta Del Valle x Valesi (Kvyat vs. Vergne)

Cornetagem ferrarista no Mundial de Construtores

Troféus (Asno Volante, Melhor Piloto)

Relatório do GP da Austrália no Portal F1 Brasil.

Kamui-crash

Email: contato@podcastf1brasil.com.br

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

magnussen viking

Para compartilhar:


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

35 comentários

thyago acosta · 17 de março de 2014 às 19:24

parabéns cabeças de gasolina!
qta análise boa sobre os testes de pré temporada e o 1o GP. a cada podcast, melhor é o material!

como participação humilde, segue uns detalhes pra acrescentar o que já foi dito:

sobre o galvão:
uma coisa que me incomoda de verdade (além dele falar sobre o rádio, achar que o raciocínio dele é melhor que a corrida e etc) é o fato dele traduzir TUDO o que é termo em inglês, e depois explicar o que é, num ímpeto singular de tornar o conteúdo acessível a todos. jura?

sobre o rubens:
o que me entristece nos comentários, não só do rubens mas de qualquer piloto na globo, é que eles não dão aquele algo mais que vc consegue ter com o coulthard nos detalhes do pace, da dificuldade e particularidades da pista, ajustes e acertos de asa, motor e etc.

    Carlos Del Valle · 18 de março de 2014 às 0:25

    Concordo, com certeza a Globo faz um trabalho mais voltado para a população geral, que talvez nem saiba que existe difusor, turbo, asa etc. Na Inglaterra a população é mais estudada, dá para falar de temas mais complexos. Imagine que é a pátria de sites como F1Technical ou revistas como Racecar Engineering… São dois de meus sites preferidos, mas mesmo entre nós cabeças de gasolina há quem ache esse tipo de assunto chato pacas

    Sérgio Siverly (@SergioSiverly) · 20 de março de 2014 às 19:45

    Oh, Thyagão.

    Seja bem vindo, cara! Ficamos felizes que você está feliz em ouvir a gente feliz. 😉

    O Galvão tem uma certa capacidade de irritar muita gente, né? Era só ouvir um pouquinho mais o feedback da galera que seria um narrador perfeito.

    Nessa parte do Rubens, o Brundle manda muito bem na SkySportsF1. Tomara que o Barrichello assista um pouco mais para que eles façam uma cobertura mais completa.

    Grande abraço, Thyago.

      Carlos Del Valle · 20 de março de 2014 às 20:23

      Realmente o Martin Brundle é excelente

Igor Cruz · 18 de março de 2014 às 12:44

Olá pessoal do Podcast F1 Brasil!

Parabéns pelo trabalho realizado. Vocês chegaram a um nível de qualidade de podcast muito rápido, estou bastante impressionado com a sintonia da equipe. Sobre a corrida:

— tô vendo muita reclamação na internet sobre a corrida. Seja do volume dos motores, seja pelo domínio da Mercedes, seja pela corrida que não foi tão animada. Eu achei tudo em bom nível e fiquei um pouco confuso com essa impressão negativa sobre tudo que está acontecendo na F1 atual. Queria saber mais sobre a opinião de vcs: estão odiando “a nova formula 1”?

    Carlos Del Valle · 18 de março de 2014 às 14:10

    Obrigado amigo Igor! 🙂 A Internet é pródiga de reclamação. Talvez o ser humano seja assim mesmo, mas talvez a Internet amplifique esse viés reclamador. Ontem li um blogueiro famoso de F1 escrever “se for ver bem, a corrida foi bem chatinha”. Eu acho a coisa mais Loser do mundo assistir e ficar reclamando. Se eu não gosto, não assisto, pronto, há mais coisas legais para se fazer do que a gente tem tempo, então vou ficar assistindo e reclamando?

    Você me fez lembrar que eu criei este projeto não só para achar gente para conversar sobre o assunto, mas também porque achava que havia espaço para alguém com uma agenda positiva sobre o esporte. Nosso sucesso prova que havia mesmo…

    Se você veio aqui ao nosso site, tinha achado a corrida boa, e estranhou as reclamações, você está no lugar certo. Eu vos ordeno cabeça-de-gasolina.

    Valesi · 18 de março de 2014 às 16:42

    Valeu, Igor!
    A galera é tão entrosada pois são todos uns malucos por F1.
    Você até vai acabar, eventualmente, nos ouvindo reclamar de alguma coisa. Mas tenha certeza que este é o podcast com menos mimimi da internet!

    Sérgio Siverly (@SergioSiverly) · 20 de março de 2014 às 19:52

    Oi, Igor!

    Obrigado pelos elogios!

    Em tudo na vida, temos as escolhas voltadas para o ruim ou o bom. Eu, particularmente, prefiro ver o copo “meio cheio”.

    O som dos motores foi um choque, no primeiro momento. Mas depois, vi que legal era nas câmeras onboards e ouvir a torcida mais presente foi muito bacana.

    Portanto, eu gosto dessa nova F1 e em poucas corridas, acredito que todos vão se adaptar.

    Abraços musicais.

    Eduardo Casola Filho · 21 de março de 2014 às 0:11

    Valeu, cara! E tenho esse mesmo sentimento sobre as reclamações. Acho que estão exageradas. mas a turma do mimimi tem em todo o lugar e é só não dar conta! Abraço!

fredbarcelos · 18 de março de 2014 às 13:57

Estou muito feliz em ter achado este site/podcast sobre F1, parabéns pelo trabalho fantástico!

    Carlos Del Valle · 18 de março de 2014 às 14:01

    Obrigado Fred, sinta-se em casa 🙂
    “Eu vos ordeno cabeça-de-gasolina”

    Valesi · 18 de março de 2014 às 16:43

    Sinta-se em casa! Pode ir lá na geladeira, pegar alguma coisa pra beber e sentar aqui pra conversar conosco.

    Sérgio Siverly (@SergioSiverly) · 20 de março de 2014 às 19:53

    Eba!

    Seja bem vindo, Fred. Já um novo cavaleiro da Ordem dos Cabeças de Gasosa!

    Abraços musicais!

    Eduardo Casola Filho · 21 de março de 2014 às 0:12

    Valeu! 😉

Alexandre · 18 de março de 2014 às 21:46

Simplesmente fantástico parabéns cada vez melhor já quero o próximo.

    Carlos Del Valle · 18 de março de 2014 às 22:54

    Já está gravado, editado e subido para o servidor 🙂 Segunda-feira vou apertar o botão “Publicar” e aí é só alegria…

    Sérgio Siverly (@SergioSiverly) · 20 de março de 2014 às 19:54

    Oi, Alexandre.

    Obrigado pelo elogio!

    Espero que sempre fiquemos melhor para vocês! 😀

Rodrigo "Digão" · 19 de março de 2014 às 0:10

Ai galera do podcast, acho que não só eu como a maioria dos ouvintes tava com saudade das vinhetas, bom humor e dos troféus do podcast f1 Brasil.

Sou da galera que não gostou dos ronco dos motores V6. No primeiro treino livre o Vijay Mallya disse pro câmera man que não “era som de formula1, definitivamente não era som de formula1”.
Bom paciência, se deu pra se acostumar com os degraus nos bicos em 2012, acho que da pra fazer a mesma coisa agora com o ronco e com as peculiaridades “fálicas” de alguns carros.
Se as corridas forem divertidas eu aceito de boa tudo isso.

Outro evento que mostra como até mesmo os carros da Mercedez não estão imunes de problemas foi o que aconteceu com o Hamilton logo no início da sexta. Na corrida foi o abandono prematuro , mas no primeiro treino livre, na volta de instalação o carro pifou, o que impossibilitou ele de treinar na primeira sessão.

Tomara que não chova na Malásia, algo que acho muito difícil, pra que possamos ver a galera pisando na tábua o final de semana inteira e conhecermos melhor os carros.

    Sérgio Siverly (@SergioSiverly) · 20 de março de 2014 às 19:57

    Fala, Rodrigo! Tá bem?

    Saudade é um sentimento bacana e bem singular, né? 😀 Também estávamos com saudade de bater papo com vocês.

    O som é bem diferente mesmo, né? Mas pensa pelo lado bom, agora ouviremos a reação das torcidas pelo mundo afora com mais força. 😉

    Foi justamente o que o Rosberg disse depois da corrida: “Nossos carros não estão livres de falhas”.

    Deve chover na Malásia, hein? Mas a corrida será tão emocionante quanto. Imagine os carros em alta velocidade, na pista molhada e com esse oversteer gigantesco nas máquinas? 😉

    Abraços musicais!

    Valesi · 21 de março de 2014 às 0:47

    Sinceramente, achei que o som iria me incomodar mais.

    Pode ser só a expectativa do início da temporada, mas prá mim passou batido.

Tiago Oliveira · 19 de março de 2014 às 17:04

O efeito submarino é algo bastante comum em crash, e os carros de passeio e de corrida tem varios sistemas passivos pra impedir isso (o assento dianteiro dos carros de passeio por exemplo, tem reforcos pra impedir o movimento de jogar o motorista pra frente e pra baixo num acidente), e o A. Newey usou esse verbo pra explicar o q efetivamente aconteu c o Koba. E ainda por cima agora tem um tubo de metal pronto pra atingir o capacete, gracas ao conjunto de novas regras. Acho q a observacao do Adrian Newey é bem pertinente.
Tambem achei q o Button iria tomar uma advertencia pra trocar o bico depois da “circuncisao” q ele sofreu, afinal, agora isso virou “item de seguranca”.
Corrida foi boring. E o Rosberg nao é um piloto q entretenha com sua pilotagem de vovó, so falta ele dar seta pra esquerda pra ultrapassar. Mas pelo menos e uma cara nova no topo do podio. Hamilton tem esse ano pra nao virar um irrelevante com titulo.
Eu torcia pro Jan Magnussen nos tempos de Stewart (melhor equipe de todos os tempos). E foi legal ve-lo tao consistente na primeira corrida.
Minha aposta era a Force India. Mas parece q a mao de lodo do Hülkenberg é foda.

    Sérgio Siverly (@SergioSiverly) · 20 de março de 2014 às 20:00

    Oi, Tiago.

    Que legal, essa parada do efeito submarino. Eu sempre achei esses bicos baixos muito perigosos. Parecem rampas! 😮 O Button não tomar uma punição, foi bem estranho mesmo, pensando por esse ponto.

    Hahahahaha! Tadinho do Rosberg. Pilotou bem, vai? Largou parecendo um foguete!

    Aquele carro da Stewart era lindo demais, não? O Hülk esmagou o Perez, chegou a ser quarto em uma parte da prova.

    Abraços musicais!

    Valesi · 21 de março de 2014 às 0:53

    Eu posso dizer que já tive problemas com o efeito submarino. Principalmente a ressaca do dia seguinte (http://www.bardoalemaocuritiba.com.br/?page_id=187).

    Agora, se for falar de pilotagem boring, o filho do finado John Button é o mestre. O que aconteceu de mais interessante com ele nessa corrida foi o cosplay de Lord Varys que fizeram no carro dele.

      Tiago Oliveira · 21 de março de 2014 às 8:29

      Ainda bem q voce nao estava com um limitador de fluxo de combustivel como o do Ricciardo, q eu prefiro chamar de “nariz de esposa”. Voce jura que só tomou 2 e ela mede uma caixa.

        Carlos Del Valle · 21 de março de 2014 às 12:18

        Você me lembrou de uma crônica do Verissimo, mais ou menos assim:
        – Mas às vezes você não tem vontade de ficar na rua, tomar uns chopes…
        – Não diga essa palavra!
        – Que palavra?
        – Não posso dizer.
        – Chope?
        – É.
        – Você não pode dizer nem a palavra?
        – Não. Senão eu chego em casa, minha mulher cheira o meu hálito e diz: “Você andou dizendo chope”. Ai, meu Deus, agora eu já disse…
        – E o que é que acontece?
        – Ela me bota de castigo, sem comida.
        http://blogdosall.wordpress.com/2007/11/22/o-maridinho-e-a-mulherzinha/

        Valesi · 21 de março de 2014 às 16:37

        Hahahaha, nariz de esposa foi ótima. Se bem que, no caso e em inglês, eu chamaria de “Bernie’s muzzle”.

Eduardo Simioni · 20 de março de 2014 às 20:17

E ae rapaziada! Primeiramente parabéns pelos Podcasts, estou curtindo bastante.
Devo dizer que foram seus Podcasts de pré-temporada que me animaram a acompanhar a temporada este ano, já que eu não ando muito empolgado com a F1 ultimamente.

Uma coisa que notei, assistindo esta primeira corrida com o Live Timing, é que ficou mais difícil entender o ritmo dos pilotos.

Os tempos de volta variam bastante durante a corrida, de uma volta pra outra, provavelmente por armazenar energia e de repente utilizar tudo que armazenou numa volta só, então na seguinte voltar a não utilizar.

Como aparentemente é tudo “automático”, e ao menos nesta primeira transmissão não há informação na tela sobre o que está ocorrendo, também ficou difícil saber se um piloto está ultrapassando utilizando o boost de energia ou não.

Seria legal se vcs discutissem sobre isto num próximo programa para sabermos suas opiniões.

Abraço!

Eduardo.

    Carlos Del Valle · 20 de março de 2014 às 20:44

    Valeu Eduardo, muito bom ver vc por aqui 🙂
    Realmente esses sistemas automáticos serão difíceis de ser decifrados, e o pior é que eles representam uma parcela muito maior da potência dos carros, e ainda pode haver momentos de economia de combustível… Eu particularmente não liguei o Live Timing nessa edição, mas vou dar uma conferida nisso na corrida de Sepang.
    abração!

    Eduardo Casola Filho · 21 de março de 2014 às 0:27

    Essas mudanças afetam mesmo a forma de pilotar. Muita gente ainda tem dúvidas sobre isso. Vai ser interessante abordar este aspecto.

    Valesi · 21 de março de 2014 às 0:58

    Opa, seja bem vindo, xará! Boa sorte no bolão esse ano.

    Acho que até o pessoal entender como funcionam esses freios traseiros e a questão do fluxo de combustível o live timing vai ficar bem rollercoaster mesmo. Sem contar, como você bem lembrou, o uso do ERS.

    Muito legal saber que você tem acompanhado os casts. Fique à vontade prá comentar sempre! Abraço.

Afonso Gentil Ramos Filho · 22 de março de 2014 às 14:23

Show de bola o programa, o Carlos Del Valle comprou um mic melhor? Nao acompanhei os outros episódios, e percebi uma melhora considerável no seu audio.

O episódio ficou muito bom, só pude ouvir na quinta feira, mas nem tem o que comentar, ficou bem completinho.

Eu não lembro do pessoal da Globo ter explicado direito, mas eles falaram sobre o novo sistema de potencia? Que até onde eu sei é durante 33 segundos? Acho que isso vai dar uma boa emoção pras corridas.

É isso ai, espero o próximo! VALEU!!

    Carlos Del Valle · 24 de março de 2014 às 12:32

    Obrigado Afonso,

    Meu mic é sempre o mesmo, mas eu sempre faço umas experimentações na hora de tratar o áudio na pós-produção, tem vezes que ficam melhores que as outras. O problema é que quando dá certo eu não tenho a menor idéia de como ou porquê rsrsrsrs…

    Quanto ao sistema híbrido, sim, são 33 segundos, mas é manejado de maneira eletrônica e não pelo piloto

Luís Gustavo Rampazo · 22 de março de 2014 às 19:41

Alguém aí chegou a ver que o Kobayashi atingiu o pneu traseiro esquerdo do Räikkonen ANTES de acertar o Massa?

    Carlos Del Valle · 24 de março de 2014 às 12:35

    Sim, impressionante como a Ferrari tem a tradição de aguentar pancada. Nós já elocubramos em programas passados se ela não é feita de adamantium rsrsrs… Em 2010 o Alonso foi quase obliterado pelo Rubens na freada da Bus Stop em Spa, e continuou normalmente a corrida (para bater sozinho bem depois)…

Habemus Classificação! | Podcast F1 Brasil · 18 de março de 2014 às 14:10

[…] ouviram nosso programa 58, sobre o turbinado GP da Austrália? Se ainda não, vão […]

Deixe seu Comentário