Para ouvir, clique Play:

Host, Boss, Timoneiro, Contínuo, Editor-Chefe, Asno Volante e Office-Boy:  Carlos Del Valle

Convidados deste programa:

Sérgio Dias, do Boteco F1

Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

Neste programa, você vai entender o que é o tal congelamento de motores, como funciona, e porque as equipes adversárias da Mercedes querem derubar essa regra.

Chefes da Red Bull, Ferrari e Mercedes trocam farpa sobre congelamento de motores. 

Toto Wolff critica ideia de liberar congelamento dos motores

Como funciona o famoso “Split Turbo” da Mercedes, com as turbinas separadas

Christian Horner afirma que a polêmica dos motores é ridícula e chega a cogitar que os V8 deveriam ser trazidos de volta

Regra dos Motores e Congelamento (site oficial da FIA)

Porcentagem de componentes que podem ser desenvolvidos:

  • 2015 50%
  • 2016 41%
  • 2017 32%
  • 2018 23%

Camisetas de F1 na Gasolina Store (Loja Online Oficial do PF1BR)

Email: contato@podcastf1brasil.com.br

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

10 comentários

Andre Tachibana Kranz · 17 de novembro de 2014 às 1:06

esse eu garanti

Andre Tachibana Kranz · 17 de novembro de 2014 às 1:34

muito pertinente falar sobre os motores da próxima temporada, ótimo cast e já aguardando as cronicas de Abu Dhabi

Sr. Deniro · 17 de novembro de 2014 às 4:57

apertando … sempre

Bruno Vicente · 17 de novembro de 2014 às 12:04

É muito estranho…
Talvez a Mercedes seja a única que não soube brincar e investiu pesado porque ao tempo que as montadoras aceitaram os novos motores pra reduzir os custos, ela investiu mais dinheiro ainda. Estranho também essa “redução” de motores por temporada, teoricamente uma unidade tornaria os motores mais baratos, mas ninguém levou em consideração o tanto de tecnologia que seria empregada no motor para deixá-lo mais durável? Sabemos quanto mais tecnologia, mais caro é, seja um motor, um celular ou um vídeo-game.
Na minha leiga visão, a indignação das montadoras não-Mercedes vem da proposta inicial que era a redução de custos que os alemães não respeitaram, como citado, gastaram muito mais que a Renault e provavelmente muito mais que a Ferrari, saíram na frente e provocaram um aumento de gastos para “correr atrás”, os gastos aumentaram também porque quem não tem o melhor motor foi obrigado em gastar mais no carro em si, uma tentativa de na aerodinâmica compensar a perda no motor, não é por acaso que ouvimos muito que a Red Bull tinha o melhor chassi, pra eles esse aumento não causa sofrimento nos bolsos, já para as outras equipes…
Outro dia li que se por algum acaso voltassem atrás, para os V8, a Mercedes sairia do campeonato, não é difícil saber o porque já que desde que entraram com equipe em 2010 eles esperavam por esse momento porque ao meu ver, eles sabiam que as outras montadoras “queriam economizar”, e eles viram ali o pulo do gato.

    thc.driver · 17 de novembro de 2014 às 12:21

    Bruno, onde vc vê gasto, eu vejo investimento.

thc.driver · 17 de novembro de 2014 às 12:19

Solução para a formula 1 é virar um carro protótipo??? Custos add infinitum…
Logico que montadoras vão sobressair, já que a formula 1 é além de um esporte, um laboratório.
Todos conhecemos as marcas alemãs e sabemos que eles vendem engenharia, a marca é consequência do bom trabalho. Ninguém vai lá com o único intuito de vender carro ou refrigerante.
Ainda bem que os japoneses estão voltando.

Joshué Fusinato · 17 de novembro de 2014 às 16:26

Deixa eu dar os meu pitacos aqui…

A Renault já usou desse mesmo artifício na troca dos motores V10 para V8. Alguém lembra?

Em 2009, o motor Mercedes era de longe o mais potente do grid, e o Renault o mais econômico. Mas os franceses sofriam com dois paradigmas: primeiro, a falta de potência e segundo, a curva do torque.

Foi permitido na época uma EQUALIZAÇÃO dos motores, com intuito justamente de fazer com que o campeonato tivesse mais competitividade.

Naquela época já estava previsto que os motores só poderiam ter algumas partes atualizadas por ano, assim como agora. Porém, o regulamento era um tanto mais flexível em 2009.

Aí, se fazendo de coitada, a Renault implorou às equipes com motores Mercedes, Ferrari e BMW que pudesse alterar algumas peças do projeto do motor, tornando a disputa mais igualitária.

Eu não daria mais uma chance pra eles não! Afinal, o motor Renault no final do ciclo dos V8 era tão potente quanto os Mercedes, e muitíssimo mais eficiente, o que pode ser comprovado pelos títulos do Vettel com a Red Bull.

Lembrando que, muito do problema de velocidade de reta que a Red Bull tinha, especialmente em 2010 e 2011 era culpa do motor, mas em 2012 e 2013, era pela eficiência aerodinâmica do próprio carro.

Essas colheres de chá não podem acontecer com frequência na F1, por prejudicar o propósito da categoria. Se o regulamento previsse equalização, seria como o WEC, onde a cada corrida os dados dos carros são analisados e quem tem equipamento melhor é punido com lastros ou restrições de projeto, e quem tá atrás no campeonato ganha benefícios.

Resumindo, que a Renault ache seus meios dentro das regras que ela concordou em seguir e que a Red Bull pare de mimimi!

(meu medo é que isso possa ensejar uma saída dos rubro taurinos da categoria… lembrando que eles não são fabricantes de carros, e sim de xixi de rato radioativo. E com isso a F1 seria alijada de 2 equipes de uma vez!)

Cristiano Seixas · 17 de novembro de 2014 às 19:21

A questao e mais complexa do que parece, esportivamente deveria-se permitir que Renault, Ferrari e ate mesmo Honda pudessem equalizar seus motores de modo a diminuir a desvantagem para a Mercedes. Poremtal medida seria injusta com quem investiu pesado para estar na frente.
Na minha opiniao o congelamento e benefico, o problema e que este deve ocorrer apos a equalizaçao entre os fabricantes, buscando manter o equilibrio e nao antes de qualquer desenvolvimento como ocorreu em 2014, porque se uma marca consegue uma mega vantagem, o campeonato fica chato e qualquer mudança mesmo que boa no ambito esportivo pune quem trabalhou bem, o que e um no minimo estranho.

Leonardo Saldanha · 18 de novembro de 2014 às 1:41

Eu tenho certeza que esse carro da mclaren ano que vem vai ser um foguete. A honda tá fazendo um grande trabalho.

Marcos · 20 de novembro de 2014 às 9:24

A Mercedes deverá ganhar fácil o campeonato de 2015, porque tem 2 bons pilotos, um bom chassis e o melhor motor.

Acredito que se tiver alguma equipe capaz de enfrentar a Mercedes deverá ser a Red Bull, pois tem um bom piloto, o melhor chassis da categoria e um motor que deverá baixar a diferença atual de 75 cavalos para uns 30 cavalos em 2015. o Ricciard venceu 3 vezes em função de problemas mecânicos das Mercedes.

Não acredito na Williams para 2015, se bem que é, atualmente, disparada a segunda melhor equipe da F1, a enorme cavalaria dos motores Mercedes fazem diferença, se a Wiliams tivesse melhores pilotos poderia ter ganho umas 4 ou 5 provas (de alta velocidade) em cima das invencíveis Mercedes. O Massa perdeu 2 corridas que ele poderia ganhar fácil, por erros dele (Brasil e Áustria), aliás o Massa foi o único piloto que eu vi encarar as Mercedes sem problemas e foi nestas 2 pista, mas este piloto erra muito, quando sob pressão. E eu pergunto e se o Alonso estivesse lá, claro que não seria campeão, mas ficaria bem pertinho do Rosberg…. como em 2015 a vantagem em potência dos motores Mercedes vai diminuir eu acredito que a Wiliams não irá bem, as Wiliams e o Ricciard deverão derrotá-los.

Não acredito na McLaren, eles estão com sérios problemas de patrocínio, além de sua engenharia ter feito um péssimo carro em 2014, dizem que estão copiando o carro da Red Bull o que significa um chassis bom, afinal eles pegaram engenheiros de lá. O motor Honda deverá ser poderoso, mas só em 2016, por isto não vencerá nenhuma prova, apesar de contar com o excelente Alonso.

Ferrari, está equipe eu levava um pouco de fé desde que tivesse um piloto de boa qualidade como o Alonso, mas agora eles contam com os medianos Vettel e Raikonen, a Ferrari tem um motor um pouco superior ao Renault, mas bem inferior aos Mercedes, acredito que no próximo ano eles deverão ter o segundo melhor motor da F1, o chassis era razoável e deverá ficar bom eu confio no Alison.

Resumo 1) Mercedes 2) Red Bull 3) Ferrari 4) Williams 5) McLaren.

Deixe seu Comentário