Existem carros de Fórmula 1 que entram para a história, devido a seu domínio estarrecedor. Hoje vamos fazer um duelo entre dois dos mais dominantes carros já concebidos, a McLaren MP4/4 e a Ferrari 2002.

McLaren MP4/4, pilotada por Ayrton Senna. Se não souber que curva é essa, vá assistir futebol. Agora.

McLaren MP4/4, pilotada por Ayrton Senna. Se não souber que curva é essa, vá assistir futebol. Agora.

  McLaren MP4/4 Ferrari F2002
Ano 1988 2002
Pilotos Ayrton Senna Michael Schumacher
Alain Prost Rubens Barrichello
Motor Honda Ferrari
Aspiração Turbo Aspirado
Configuração V6 v10
Deslocamento 1,5 litro 3,0 litros
Câmbio Manual Semi-automático
Marchas 6 7
Gasolina Shell Shell
Pneus Goodyear Bridgestone
Poles 15 de 16 8 de 15
Vitórias 15 de 16 14 de 15
Posição Pilotos 1. / 2. 1. / 2.
Construtores Campeão Campeão

Vamos ter uma idéia do que era competir contra uma McLaren MP4/4. No GP de San Marino de 1988, tanto Ayrton Senna como Alain Prost fizeram tempos na casa de 1:27 nos treinos de classificação para o grid de largada. O terceiro colocado não conseguiu nada melhor do que 1:30.5, sendo no caso Nelson Piquet, cuja Lotus usava o mesmo motor Honda V6 Turbo da temível McLaren. Esses três segundos de vantagem nos treinos foram cruelmente demonstrados na corrida, quando Senna e Prost já haviam colocado uma volta de vantagem em todos os concorrentes já na volta 56, incluindo o terceiro colocado Piquet. As melhores voltas de Senna e Prost na corrida foram mais rápidas do que as dos carros normais em condições de classificação (e na época existiam motores e pneus especiais de classificação).

Michael Schumacher prestes a vencer e ser campeão em Magny-Cours  com sua F2002

Michael Schumacher prestes a vencer e ser campeão em Magny-Cours com sua F2002

No caso da Ferrari F2002, até se poderia ficar em dúvida se a representante de Maranello não poderia ser sua irmã F2004, que venceu 15 de 18 corridas, mas fez mais poles (12 em 18 chances). Ambas foram ridiculamente superiores à concorrência. Isso você mede pelo segundo piloto, e no caso foi com elas que Rubens conseguiu seus únicos dois vice-campeonatos. Acabei escolhendo a F2002 por dois motivos:

  • o domínio de ambas foi ridiculamente absoluto, mas a F2002 fez Schumacher ser campeão ainda num absurdo 21 de julho, em Magny-Cours. Em 2004 pelo menos o alemão deu uma disfarçada e foi campeão no clássico Spa-Francorchamps, no final de agosto. 
  • A F2002 veio antes. Pode-se dizer que a F2004 é apenas uma irmã mais nova, bem parecida com a outra. Para ser bem sincero, a verdadeira mãe dessa geração foi a F2001, também campeã de pilotos e construtores. Para 2001, houve algumas mudanças nas regras, principalmente no caso da asa dianteira, que foi elevada em relação ao solo e tornada mais estreita. Todo o F2001 seguia uma filosofia diferente da campeã anterior (a F1-2000) em vários outros aspectos.

(Pilotos) vencedora: McLaren P4/4

Nem precisaremos entrar na briga de foice entre Schumacher e Senna. O duelo é facilmente desempatado pelo “outro” de cada carro. Alain Prost está no mínimo no mesmo nível de Ayrton e Michael, mas era muito rabugento, perdendo para Senna no item carisma, e levando uma surra de Schumacher nos números de títulos e vitórias. De qualquer forma, é uma lenda da F1 e o pobre Rubens não passou pela pré-classificação para lutar contra Prost.

(Chassis) vencedora: Ferrari F2002

O motor mais poderoso em 2002 era o BMW V10 que equipava a Williams. Provavelmente o V10 da Ferrari não era nenhum motor de mobilete,  mas com certeza o chassis da F2002 foi o grande diferencial, tanto em aerodinâmica quanto em equilíbrio e grip mecânico. Tendo ajudado na vitória contra o motor mais forte, ponto para a casa de Maranello. O MP4/4 era um grande chassis, tanto que deu uma tunda na pobre Lotus que tinha o mesmo motor Honda. Há inclusive uma briga de foice entre Steve Nichols e Gordon Murray para ver quem é o pai da MP4/4, mas o McLaren perdeu da F2002 porque o chassis da Lotus-Honda de 1988 tinha fama de ser mais desequilibrado do que uma Belina velha. Bater em cachorro morto não vale.

(Motor) vencedora: McLaren MP4/4

O motor Honda V6 foi modificado para a temporada de 1988, ficando com o perfil mais baixo a pedido de Gordon Murray. A McLaren MP4/4 foi inteira desenhada com a filosofia de ter um perfil baixíssimo, com centro de gravidade o mais próximo possível do chão. A Lotus usou o motor inclinado para frente, sem reprojetar o câmbio, não aproveitando a filosofia do novo Honda. De qualquer forma, o Honda V6  Turbo acabou sendo o melhor motor da F1 pela terceira temporada seguida.

(Tempo de Volta) vencedora: Ferrari F2002

Vai ter gente reclamando de covardia, já que um carro é 14 anos mais jovem que o outro. Mas fica a dica para o pessoal muito nostálgico, que diz que a F1 moderna é video game: as velocidades vão ficando muito maiores com o passar dos anos. As poles da F2002 de Schumacher em Spa e Suzuka são 10 segundos (sim, dez  segundos) mais rápidos que as poles de Senna em 1988. Em Spa, 1:43.7 contra 1:53.7 da McLaren. Em Suzuka, a Ferrari também impõe 1:31.3 contra 1:41.8. Os outros circuitos sofreram modificações ou não participaram de ambos os campeonatos. Hungaroring passou perto, mas tinha uma chicane que foi removida a partir de 1989, melando as estatísticas. Claro que há variáveis como superfície recapeada, sujeira da pista ou medo de assombração, mas pelo menos tomei o cuidado de usar tempos em pista seca.

Vencedor Final: e agora?

Essa é fácil: estamos escrevendo isto para nos divertir. Não há outra razão para se escrever um texto desses, comparando alhos com bugalhos. Pelo menos eu me diverti escrevendo. Quem for mais torcedor da Ferrari ou de Schumacher, pode dizer que a F2002 ganhou. Quem é mais torcedor de Senna ou da McLaren, pode continuar sonhando com a MP4/4. Simples assim. Está em casa.

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Email: contato@podcastf1brasil.com.br

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

6 comentários

Mauro · 12 de outubro de 2013 às 22:06

O melhor carro de todos foi a Williams de 1992, aquela s. ativa eletrônica deixava o carro 1,5 seg. mais rápido que uma suspensão convencional…e em 1992 só a Williams tinha, sem contar o controle de tração que melhora até 1,0 segundo em pista travada, e o câmbio semiautomático (0,3 segundos mais rápido) até o Mansell um piloto muito inferior a Senna e Prost ganhou aquele campeonato…depois vem o Ferrari de 2002 muito forte, o motor Ferrari era tão forte quanto o Mercedes, o chassis era maravilhoso o Edie Irvine (que correu na Ferrari) chegou a dizer que eles tinham irregularidades como um fundo falso. Acredito que além do chassis ótimo da Ferrari havia uma superioridade muito grande dos pneus Bridgestone que eram exclusivos para a Ferrari, sem contar o ótimo piloto Schumacher. A Ferrari era a única equipe grande que podia usar estes pneus. Em terceiro lugar colocaria a Williams de 1987 com um bom chassis e um motor RA 167 muito superior aos outros este motor tinha muito mais torque e ótimo consumo, o único motor que estava próximo era o Honda da Lotus o RA 166. Acredito que que se Prost e Senna estivessem lá eles fariam todas as poles e venceriam todas as corridas. Em quarto colocaria a Ferrari 2004. Em quinto a Lotus 1972. Em sexto colocaria a Williams de 1986 que se tivesse Prost e Senna venceriam 15 provas (menos México onde a Benetton tinha um motor superior na altitude), e fariam 16 poles (o Senna derrotaria a Benetton mesmo na Austria e Itália onde a força do BMW de treino era de 1400 cavalos).Em sétimo a Williams de 1993, os concorrentes copiaram a eletrônica da Williams. Em oitavo colocaria a Mclaren de 1988. Este carro era muito rápido de treino porque não precisava economizar combustível…o próprio criador do carro o Steve Nichols disse que a relação peso-potência dos Benetton Ford era superior aos Mclaren em condições de corrida, a Mclaren só podia usar 150 litros de combustível por isto na maioria das pistas eles tinham que usar 600 cavalos para um peso do carro de 540 kgs para não ficar sem combustível..Já a Benetton tinha 600 cavalos e 620 no meio da temporada para um peso de 520 kgs (20 acima do regulamento dos aspirados). O Nichols diz: Tínhamos disparado os 2 melhores pilotos da F1…eles como eram muito rápidos largavam na frente e ficavam economizando combustível…Eu tenho certeza que se o Prost ou o Senna estivessem na Benetton de 1988 e na Mclaren de 1988 estivessem Piquet e Mansell. O Prost ou o Senna venceriam facilmente as Mclaren…

    renatoaguiar9 · 21 de julho de 2015 às 15:58

    Gostei dos argumentos. Nem sempre o número de vitórias representam a realidade. É muito fácil dizer que algum piloto ou carro é o melhor, apenas vendo os números. Mas quem conhece de verdade sabe ver além.

Marcos · 10 de novembro de 2013 às 14:39

Os Mclaren de 1988 eram rápidos de treinos mas nas corridas não era tão superior assim, o regulamento obrigava a consumir apenas 150 litros de combustível já os aspirados podiam consumir 195 litros…acredito que realmente havia uns 5 carros superiores a este…o mais forte de todos eram as Williams de 1992 era condições de corrida uns 2 segundos mais rápido que os concorrentes. Aquela suspensão ativa desequilibrou.

    Carlos Del Valle · 10 de novembro de 2013 às 17:40

    Mesmo em corrida o MP4/4 era vastamente superior, mesmo com o limite de gasolina. Um dos segredos do Honda V6 era sua eficiência, mesclando potência e economia. Veja os resultados das corridas, era um completo massacre, não só em treinos. O único atenuante seria os pilotos, já que Senna e Prost eram vastamente superiores aos outros, na minha opinião. E mesmo com o limite de gasolina, o terceiro colocado foi Berger com sua Ferrari V6 Turbo…

Renato · 16 de janeiro de 2015 às 22:55

Tecnicamente a superioridade da Ferrari de 2002 e 2004 eram os pneus Bridgestone já que a Ferrari tinha exclusividade deste pneu, o Ross Brown conseguiu está exclusividade no Japão, ou seja, a Ferrari era a única equipe grande que podia usar este pneu, as outras que usavam estes pneus eram tudo equipes pequenas como a Sauber, Jordan e Minardi todas sem dinheiro e sem motores oficiais. Os 6 concorrentes grandes (McLaren equipe oficial da Mercedes, Williams equipe oficial da BMW, Jaguar equipe oficial da Ford, Bar equipe oficial da Honda, Renault e Toyota tiveram que usar os Michelin). Por isto a mudança do regulamento em 2005 obrigando os pneus a terem resistência (ponto forte do Michelin) com a com isto a Ferrari que eram poderosos de 2000 até 2004 começaram a ir mal em 2005 em diante. Não adianta pneus é 50% de um F1.

    Carlos Del Valle · 28 de janeiro de 2015 às 15:18

    Sim, o pneu é o que faz toda a máquina entrar em contato com o asfalto e andar… É a “interface principal”. Realmente a regra de 2005 parece ter sido uma regra anti-Schumacher, como outras, e nesse caso deu certo

Deixe seu Comentário