Índice

Mark Blundell (favor não confundir com Martin Brundle, pois eu já vivo fazendo isto e você vai entender porquê) nasceu em Barnet, na periferia de Londres, em 08 de abril de 1966. Ao contrário do caminho usual dos que chegam à Fórmula 1 (kart, fórmula 3), ele começou a carreira em duas rodas, participando de campeonatos de motocross aos 14 anos.

 

A mudança para os veículos que não caem de lado quando ficam parados sem apoio foi aos 17, na fórmula Ford britânica, e já no ano de estreia terminou o campeonato na segunda colocação.

wvz8gg

Depois de passar pela fórmula 3000 e por Le Mans (correu as 24h de 1990 pela Nissan, largando na pole e se tornando o piloto mais jovem a conseguir isto), o inglês finalmente chegou à Fórmula 1. Sua primeira corrida foi no início do campeonato de 91, em Phoenix. Blundell assinou contrato com a mítica Brabham, embora já na fase de declínio da equipe, que estava montada com motores Yamaha naquele ano. Largou em 24º lugar no grid, ao lado de Maurício Gugelmin. Seu companheiro de equipe, Martin Brundle (fala sério, não é de dar um nó mesmo?) largou na 12ª posição, tendo feito um tempo mais de 1,5 segundo mais rápido. Blundell acabou rodando e abandonando na volta 32, enquanto Brundle terminou em 11º, 8(!) voltas atrás do campeão Senna.

Blundell & Brundle. Se vire prá descobrir quem é quem.

Blundell & Brundle. Se vire prá descobrir quem é quem.

Blundell acumulava turnos, pois era também piloto de testes da Williams. Durante o ano, sua melhor colocação foi um sexto lugar em Spa, que lhe rendeu o único ponto do campeonato. Mark sofreu muito com abandonos – foram 9 em 16 provas, além de não ter conseguido se classificar no Canadá e no Japão. Ao final da temporada a Brabham não pode mais pagar seu salário (a equipe viria a fechar no ano seguinte), e, sem um cockpit para chamar de seu, a única maneira de permanecer na f1 em 92 foi como piloto de testes da McLaren. O lado bom disso é que sobrava um tempinho para correr em outros campeonatos, e nesse ano Blundell venceu as 24h de Le Mans dirigindo pela Peugeot.

De tanto ficar andando entre os franceses, em 1993 Mark Blundell mark_blundell__1993__by_f1_history-d6izsj5conseguiu um contrato com a Ligier. Uma curiosidade é que este foi o único ano da história da equipe em que ela não teve um piloto da terra de Platini, já que o carro do lado estava nas mãos de outro inglês, um tal de… Martin Brundle (sério, isso já está virando sacanagem).

Foi um ano melhor para Blundell. Em uma equipe de meio de pelotão (a Ligier terminou o ano em quinto lugar no campeonato de construtores), seu primeiro pódio veio já na corrida de estreia do campeonato, na África do Sul. Mark ficou atrás apenas de Prost e Senna, e à frente de Fittipaldi. Outro terceiro lugar em Hockhenheim e uma  quinta colocação no Brasil lhe renderam 10 pontos e o 10º lugar no campeonato (seu companheiro de equipe ficou em sétimo, com 13 pontos).

MarkBlundell tyrrell

Como seu contrato com a turma do baguette era só de um ano, em 94 ele atravessou de volta o canal da Mancha e assinou com a Tyrrell, entrando na vaga deixada pela saída do De Cesaris. Seu maior ganho foi finalmente saberem quem era quem entre os pilotos, já que desta vez ele fazia dupla com Ukyo Katayama (Brundle foi para a McLaren). Dentro das pistas, as coisas foram mais Brabham do que Ligier: apenas um pódio – 3º lugar na Espanha, na última vez que Blundell e a Tyrrell chegaram ao champagne – dois quintos lugares e 9 abandonos em 16 corridas, novamente. No final do campeonato, conseguiu pela primeira vez vencer a disputa caseira, terminando na 12ª colocação, com oito pontos.

Como na temporada de 91, ao final do ano Blundell foi mandado embora pois a equipe não podia pagar seu salário. O que acabou sendo uma sorte, uma vez que ele foi contratado pela McLaren, para 1995substituir seu quase homônimo Brundle, que estava voltando para a Ligier (bom, na verdade, quem havia acertado com o time de Woking era Nigel Mansell, mas ele não coube no carro. Sério. Esta é uma história que precisamos contar outra hora). Porém, a Macca não teve um bom ano, chegando apenas em 4º no campeonato, e com isso Blundell ficou remando na meiúca, tendo que se contentar com alguns quartos ou quintos lugares, no máximo. Ao final de seu último ano, Blundell se despediu do circuito da F1 como piloto na Austrália, fechando o campeonato na 10ª colocação com 13 pontos, 4 a menos que seu companheiro de equipe, Mika Häkkinen.

Fora da Fórmula 1, o britânico foi correr na CART norte-americana. Conquistou algumas vitórias e alguns ossos quebrados em acidentes, até que se aposentou ao final da temporada de 2000.

Entre 2002 e 2008 Blundell foi comentarista de F1 da ITV inglesa, onde conquistou muitos fãs pelo seu estilo simples e linguagem popular.

Hoje, completando 49 anos, Mark Blundell gerencia a carreira de jovens pilotos, através de sua empresa 2MB Sports Management. Seu sócio na empresa é… Martin Brundle.

———–

FORA DAS PISTAS:

Um cara que precisava ter passado mais tempo por aqui

Um cara que precisava ter passado mais tempo por aqui

Há 21 anos, em 8 de abril de 1994, o rock teve uma péssima notícia. Um eletricista encontrou o corpo de Kurt Cobain, que suicidou-se em sua casa, supostamente no dia 5. Mais um gênio do Clube dos 27.

Kurt-Cobain-VI

Kurt nunca teve uma vida espetacularmente feliz, mas posso garantir que tornou felizes vários momentos da minha. Recomendo muito a leitura de ”Mais Pesado que o Céu” de Charles R. Cross, uma biografia merecida, densa como a história do cara.

Abraços!!!!

GASOLINA STORE BANNER

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

Faça parte da nossa Liga Conjunta no Bolão do GP Predictor: Podcast F1 Brasil e Boteco F1 

Curta nossa página no Facebook

Confira nossas camisetas de F1 na Gasolina Store

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast


Valesi

Velho o suficiente para reclamar com propriedade, não tenho esperanças de que alguém me leve a sério. Ferrarista e fã de Jack Daniels, não necessariamente nessa ordem. Pago no máximo 40 pratas por uma foto do Button cometendo um crime.

7 comentários

Joshué Fusinato · 8 de abril de 2015 às 10:45

Dá pra dizer que esses dois tem quase um bromance, né? Brundell… Hehehehe

Fica a dica prós amigos de ouvirem o Podcast da Motorsport Magazine, entrevistando o Mark Blundell, é excelente!

    Cristiano Estolano · 8 de abril de 2015 às 13:54

    Já ouvi e reafirmo o que você fala, Josué! Vale muito a pena. Quanto ao Cobain, RIP.

Will · 8 de abril de 2015 às 12:36

Cara…mas é a pqp mesmo!!! Rsrsrsrs vc entra na página da McLaren, vai em Heritage, depois em drivers.

Me diz aí, vc acha que Brundle e Blundell estão longe ou pertinho um do outro? RSRSRSRS

Diego Ricarte · 8 de abril de 2015 às 20:35

Hora Brundle, hora Blundell. Deu até um nó na minha cabeça.
Falando em cabeça. Pô Kurt, porque fez isso?

Pedro SIlva · 8 de abril de 2015 às 22:06

No próximo capítulo: John Herbert e Johnny Herbert, o piloto e o ator

    Valesi · 10 de abril de 2015 às 8:00

    Hahahaha. Boa, Pedro. Dá até para fazer uma série. Kevin Kline, Calvin Klein e Christian Klien, por exemplo.

Pintando o sete: anos de McLata | F1 Social Club · 11 de maio de 2015 às 21:56

[…] até promissor, com Hakkinen chegando em quarto e Mark Blundell (não confundir com Martin Brundle, pois quase todo mundo faz isso) foi sexto no carro que seria do […]

Deixe seu Comentário