Existe um piloto que saiu da Ferrari porque ela não era competitiva, mas logo quando ele saiu, a Scuderia começou a deslanchar. E para piorar as coisas, esse piloto foi para uma equipe que não foi pra frente.

aalonso meme

Não, Alonso, não é você. Estamos falando de Chris Amon, piloto neozelandês que pilotou para McLaren, Ferrari e várias outras equipes. Ele é famoso por ter sido um bom piloto que nunca venceu nenhum Grande Prêmio, por várias razões, entre elas o azar e o fato de sempre estar no lugar errado, na hora errada.

AZAR

Amon tinha pilotado para a Scuderia por três anos, de 1967 a 1969. Para exemplificar os dramas de Chris Amon, basta citar que ele liderava o GP do Canadá de 1968 com mais de um minuto de vantagem sobre a dupla da McLaren (Bruce e Denny Hulme). Claro que seu câmbio quebrou, dando de bandeja uma dobradinha para a McLaren. Detalhe: Chris Amon tinha saído da McLaren fazia dois anos, para ir para a Ferrari.

amon

MOTOR V12

Foi justamente essa falta de confiabilidade dos carros da Ferrari que o fizeram deixar Maranello. Além disso, havia outro fator, que soa até engraçado hoje em dia: o V12 da Ferrari perdia em potência para o então moderno e eficiente Cosworth DFV. Amon virou para o Comendador Enzo e disse que ia vazar. O Old Man gostava de Amon, pediu para ele ficar, disse que estava entrando dinheiro novo através da Fiat, que havia o novo motor Flat-12 a caminho, mas não teve sucesso em convencer o neozelandês a ficar.

1970: FERRARI SE REENCONTRANDO

Para desespero de Chris Amon, o bom e velho Enzo estava certo. Amon teve um ano ruim, terminando a temporada em oitavo pela March, novamente sem vitórias. Já em Maranello, o vento estava a favor, com quatro vitórias, sendo três de Jacky Ickx e uma de Clay Regazzoni. O belga Ickx foi vice-campeão, enquanto o bigodão suíço foi terceiro no campeonato. A Ferrari 312B estreou com o pé direito, e o projeto ainda traria muitas alegrias para a Scuderia.

MOTOR FLAT-12

O motor Flat-12, com cilindros colocados horizontalmente em duas bancadas contrapostas, ajudava a reduzir o centro de gravidade da 312B. Os motores Flat-12 da Ferrari se tornaram lendários. Receberiam em 1974 um câmbio transversal, passando a figurar na Ferrari 312T. Empurrariam os carros dos dois títulos de Niki Lauda, das estripulias de Gilles Villeneuve e do campeonato vencido por Jody Scheckter. O conceito só seria substituído em 1981, com o V6 turbo da Ferrari 126C.

Recomendo muito a leitura do artigo do Roebuck comparando Amon e Alonso. Quem quiser ler mais sobre a Ferrari 312B pode clicar para ler na Wikipedia ou no F1 Technical. Teremos nossa próxima Ferrari da Sexta-Feira na semana que vem. Até lá!

GASOLINA STORE BANNER

Grupo do Podcast F1 Brasil – Roda com Roda no Facebook

Faça parte da nossa Liga Conjunta no Bolão do GP Predictor: Podcast F1 Brasil e Boteco F1 

Curta nossa página no Facebook

Confira nossas camisetas de F1 na Gasolina Store

Siga-nos no Twitter e no Instagram

Estamos também na TuneIn Radio e no Stitcher, além do iTunes

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

 

Categorias: Artigos

Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

1 comentário

rubens.pdf (@rubensGPnetto) · 25 de março de 2015 às 18:08

Me digam o nome da cigana que leu as mãos do Amon e do Alonso que eu quero é passar longe dela!!!

Deixe uma resposta para rubens.pdf (@rubensGPnetto) Cancelar resposta