(Este é um artigo escrito, portanto não clique Play! Teremos podcast nos próximos dias)

A restrição no uso da asa móvel DRS durante os treinos, que a FIA está planejando para o ano que vem, deve favorecer a Ferrari. De acordo com os planos da entidade, na próxima temporada os pilotos só poderão abrir o dispositivo na reta designada para seu uso, ficando proibidos de acioná-lo nas outras partes do circuito, mesmo na sexta-feira e no sábado. A Ferrari deve sair ganhando, por que sua principal dificuldade nos treinos de classificação tem sido justamente a oscilação excessiva do carro ao fechar a asa nas freadas. Tanto Alonso como Massa costumam ficar relativamente longe do tempo da pole position no sábado, mas seu ritmo de corrida melhora bastante nos domingos, chegando bastante próximo às outras equipes de ponta. Um dos motivos dessa diferença entre treinos e corrida parece ser justamente a regra que permite que os pilotos usem a asa móvel no sábado durante toda a extensão do circuito, enquanto no domingo sua utilização é restrita.

Traseira da Ferrari F2012 parece ficar instável nas freadas ao fechar o DRS, por culpa de sua interação com o difusor.

Traseira da Ferrari F2012 parece ficar instável nas freadas ao fechar o DRS, por culpa de sua interação com o difusor.

Segundo o ex-projetista Gary Anderson, o mistério da Ferrari e seu carro que melhora de sábado para domingo, parece ter como culpado o difusor traseiro e sua interação com a asa móvel DRS. A Ferrari funciona muito mal na transição de asa aberta para asa fechada. Isso explica porque no domingo a Ferrari vai bem melhor: a asa móvel só vai ser aberta na reta designada para seu uso em ultrapassagens, e somente quando o piloto estiver a menos de um segundo do carro à frente. Em todo restante do circuito, a asa vai ficar fechada, o difusor vai trabalhar sem as oscilações causadas pelo DRS, e o piloto vai ter um carro com a traseira muito mais “na mão”. Sinceramente, a teoria do Gary Anderson faz muito sentido.

À medida que o carro ganha velocidade, a downforce empurra a traseira para baixo, aproximando-a do chão, e isso faz o difusor entrar em estol, desprendendo-se do fluxo de ar, de maneira semelhante à asa traseira. Mas quando o piloto freia para a próxima curva, obviamente a traseira volta a levantar, ao mesmo tempo que o DRS se fecha. É nesta fase que a Ferrari parece ter um sério problema: o fluxo de ar demora para se alinhar novamente com o difusor, fazendo a traseira ficar solta na entrada da curva. Isso gera insegurança para o piloto, e no caso do treino de classificação do sábado, o fenômeno da “traseira alegre” da Ferrari vai se repetir em cada freada em que o DRS tiver que fechar e o difusor tiver que se alinhar com o fluxo novamente. Nas voltas voadoras do Q3 no sábado, a confiança é fundamental, e nada dá mais confiança a um piloto do que um carro com a traseira firme no chão. Essa é uma arte que Vettel e a Red Bull refinaram muito, e Alonso parece sofrer justamente com o comportamento traiçoeiro da F2012 no Q3, minando sua confiança.

A Red Bull RB8 consegue manter a traseira estável mesmo em condições extremas de abertura e fechamento repetidos da DRS

A Red Bull RB8 consegue manter a traseira estável mesmo em condições extremas de abertura e fechamento repetidos da DRS

Segundo Charlie Whiting, a FIA nunca quis que a DRS fosse usada fora da reta designada, mas havia a preocupação em tornar o sistema o mais eficiente possível, daí sua liberação para uso durante todo o circuito nos treinos. Mas agora a tecnologia já foi desenvolvida, e Whiting acha que o sistema continuará sendo efetivo aos domingos, mesmo com seu uso reduzido nas sextas-feiras e nos sábados. A limitação do uso, por outro lado, traz benefícios à segurança dos pilotos. “A única utilidade do DRS foi auxiliar em ultrapassagens, e somente isto. Mas em treinos de classificação, ele chega a representar um a 1,5 segundos por volta, o que é uma enormidade”.

Haverá gente acusando a FIA de ser a “Ferrari International Assistance” novamente. Mas já que eu pareço ter sido um dos primeiros a ligar os dois fatos, qualquer favorecimento deve ser apenas coisa da nossa cabeça. Ou não…

Links e notícias usados ou mencionados neste episódio:

BBC: Gary Anderson analisa os problemas da DRS da Ferrari em treinos

Artigo da Autosport sobre a restrição da DRS para 2013

Seu clone no Globoesporte.com (FIA planeja restringir o uso da asa móvel em treinos a partir de 2013)

 Sky Sports: asa DRS terá seu uso restrito

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:


Carlos Del Valle

Podcaster. Imerso em Fórmula 1. Nada mais lógico do que um podcast sobre Fórmula 1.

2 comentários

Domenicali confirma: Podcast F1 Brasil estava certo sobre DRS | Podcast F1 Brasil · 27 de novembro de 2012 às 19:39

[…] leu nosso texto, explicando que as novas regras limitando o uso da DRS devem ser benéficas para a Ferrari, já […]

25 No Templo de Interlagos, quem diria, o grande rabudo foi Vettel | Podcast F1 Brasil · 29 de novembro de 2012 às 2:50

[…] Mudança nas regras para 2013 deve beneficiar a Ferrari […]

Deixe uma resposta para Domenicali confirma: Podcast F1 Brasil estava certo sobre DRS | Podcast F1 Brasil Cancelar resposta