Comparação: rankings da BBC e do Tazio

(Este é um artigo escrito, portanto não clique Play, teremos podcast nas próximas semanas. Descobri que areia e filtro solar podem interagir negativamente com meus equipamentos. Além do mais, podcast com internet 2G/Edge é inviável né)

Mark Webber postou esta foto no Twitter e escreveu "pista certa, motor certo, combustível certo, pneu certo, piloto certo". Nunca concordei tanto com uma frase.
Mark Webber postou esta foto no Twitter e escreveu “pista certa, motor certo, combustível certo, pneu certo, piloto certo”. Nunca concordei tanto com uma frase.

Esse tipo de ranking sempre provoca celeuma. Todo ranking contém uma certa cornetagem, e por isso estimula cornetas dos quatro cantos. Já vou dizendo que entre a BBC e o Tazio, sou mais os britânicos. Muita gente vai dizer “que surpresa”, mas temos que considerar que o ranking da BBC foi lindamente escrito e redigido, com vinte capítulos escritos com extremo capricho e cuidadosa pesquisa de campo. Só isso já daria uma vantagem aos súditos de Elizabeth II. O ranking do Tazio foi publicado de uma vez só, com um parágrafo para cada piloto. Há gente no Tazio que eu admiro e leio bastante, como Bira Bizarro Costa e Leandro Kojima. Nenhum dos dois consta na votação dos Top 20. O pessoal que fez ranking do Tazio parece gente boa, mas me pareceu sem peso quando comparado a Murray Walker e Andrew Benson, dois caras não só estudiosos mas também com vivência no paddock. Vamos lá:

Piloto BBC Tazio Média
Senna 1 3 2
Fangio 2 1 1,5
Clark 3 5 4
Schumacher 4 2 3
Prost 5 4 4,5
Moss 6 14 10
Stewart 7 6 6,5
Vettel 8 8 8
Lauda 9 7 8
Alonso 10 10 10
Ascari 11 15 13
Villeneuve 12
Mansell 13 20 16,5
Häkkinen 14 19 16,5
Hamilton 15 16 15,5
Piquet 16 9 12,5
Fittipaldi 17 12 14,5
Brabham 18 11 14,5
Hill 19 13 16
Rindt 20 18 19
Räikkonen 17

Então entramos no último refúgio dos canalhas, o patriotismo (frase de Samuel Johnson). Por mais respeitável que a BBC seja, cometeu o pecado de elevar o “idiota veloz” Nigel Mansell a um injustificado décimo terceiro posto, à frente do vastamente superior Nelson Piquet, colocado em décimo sexto pelos britânicos. Foram nitidamente influenciados pela suposta antipatia do brasileiro, com sua falta de vontade em agradar jornalistas e fãs em geral. Mas deveriam ter prestado atenção no talento e na perseverança de Piquet, que foi tricampeão com equipes diferentes, enfrentando adversários difíceis e sem ter vida mansa dentro da única equipe realmente dominante que defendeu, no caso a Williams. A imagem de malandro malemolente, que Piquet adora cultivar, esconde um piloto trabalhador, detalhista, com profundo conhecimento dos  princípios mecânicos da F1, e que venceu Mansell justamente pela preguiça e falta de força mental do inglês, já descrita por muitos. Os britânicos também lançaram Gilles Villeneuve ao número 12, achei meio alto, por mais malabarista que o canadense fosse. Um amigo blogueiro de F1 me disse uma vez naquele bate-papo antes da gravação, “Gilles era o Maldonado da época”. Um dia voltaremos a esse assunto.

Esse cara era foda. Muito foda.
Esse cara era foda. Muito foda.

Notei algumas cornetas contra Fangio também, principalmente vindas de regiões onde não se estuda muito. Poderia ser má vontade pela nacionalidade argentina do cara, vai saber. Pelos números, Fangio foi o maior, mas sua genialidade vai muito além disso, principalmente por ter sido campeão com quatro equipes diferentes, no caso Alfa Romeo, Maserati, Mercedes e Ferrari. Aliás, se Vettel quiser entrar de vez nos Top 5, terá que ganhar algo que não seja com Red Bull, para não ficar com o mesmo estigma de Senna, tricampeão sempre pela mesma McLaren. Aliás, falando em Ayrton Senna, eu até tenho que admitir que o ranking do Tazio foi um pouco menos arbitrário, já que foi objeto de votação entre vários participantes, com pontuação e tudo. Devo ter gostado mais da lista da BBC por que botaram Ayrton Senna em primeiro, o que sempre acho excelente. Aqui no Brasil isso é meio raro, o cara para dar uma de entendido em F1 tem que fazer um ar meio blasé e dizer que “Senna não foi aquilo tudo”. Tá bom, né…

Vamos colocar o ranking na ordem da média das duas listas:

Piloto Média
Fangio 1,5
Senna 2
Schumacher 3
Clark 4
Prost 4,5
Stewart 6,5
Lauda 8
Vettel 8
Moss 10
Alonso 10
Piquet 12,5
Ascari 13
Fittipaldi 14,5
Brabham 14,5
Hamilton 15,5
Hill 16
Mansell 16,5
Häkkinen 16,5
Rindt 19
Villeneuve
Räikkonen

Deu uma equilibrada boa, apesar de achar que Alonso à frente de Piquet está errado, pelo menos por enquanto. Mas o sennismo anti-piquetista dos britânicos deu uma desequilibrada nessa parte. Pelo menos serve de lição para os que insinuam que o fenômeno Senna é coisa da Globo. Esse foi o maior mérito da lista da BBC.

"Anarchy in the UK"
“Anarchy in the UK”

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:

Muito conteúdo esta semana no Podcast F1 Brasil

(Este é um artigo escrito, portanto não clique Play, teremos podcast nos próximos dias)

Semana movimentada no nosso Podcast F1 Brasil! Confira nosso programa e várias publicações rolaram aqui esta semana:

Podcast Especial com a Premiação Geral 2012 (Asno Volante, Mega Ultrapassagem e Melhor Piloto)

Artigo original em inglês publicado no Sidepodcast Caterham quo vadis: Is the Leafield based team getting closer to the midfield?

Vídeo Kimi havia ultrapassado Schumacher na Eau Rouge em 2004

Versão em português sobre a Caterham Mais próxima dos times médios ou não?

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:

Caterham: mais próxima dos times médios ou não?

(Esta é a versão em português do meu artigo que o Sidepodcast.com gentilmente aceitou publicar. Resolvi me auto-plagiar para evitar que o façam antes de mim mesmo, como já aconteceu. E este é um artigo escrito, portanto não clique Play! Teremos podcast nos próximos dias)

Entre as equipes de Fórmula 1 que estrearam em 2010, Caterham não apenas se tornou a mais forte, mas também talvez a mais popular. A Caterham também difere das outras “nanicas” porque promete resultados. Quem promete, tem que entregar. A Caterham tem um orçamento maior, tem o projetista Mike Gascoyne em seus quadros, e seu proprietário Tony Fernandes é um empresário e líder bastante respeitado. É a única equipe entre as nanicas a ter um piloto que já venceu uma corrida de F1 (Heikki Kovalainen). No caso, a promessa da Caterham é de se juntar aos chamados times médios, essa entidade pouco definida que significa “nem as equipes de ponta, nem os retardatários sem esperança”. Ou você poderia definir as equipes médias como “as equipes que marcam pontos de vez em quando”.

Caterham quo vadis
Caterham quo vadis

Tony Fernandes quase teve que comer sua boina do Colin Chapman quando a Marussia quase conseguiu o desejado décimo lugar no campeonato de Construtores. A luta da Caterham acabou sendo mais para permanecer em décimo do que para se aproximar das equipes médias. Meu objetivo aqui foi determinar a velocidade do carro desde ano, o CT-01, principalmente em comparação com a temporada passada. Há muitas variáveis, então eu tentei remover tantas quanto pudesse. Além de torturar dados, estatística também significa de fatores de confusão.

Caterham: para onde?

Eu não acho útil medir apenas a diferença para o último colocado das equipes médias, uma vez que o pobre coitado eliminado em 18. lugar no Q1 muitas vezes está sofrendo problemas mecânicos, ou com pneus, ou com o piloto, não sendo um verdadeiro representante das equipes médias. Assim, eu decidi comparar o melhor tempo da Caterham com o melhor tempo da Toro Rosso. Eu quero saber do que o carro é capaz. Cheguei a pensar em comparar a Caterham com o tempo médio de volta das equipes do meio-campo, mas isso seria um tanto cruel com a Caterham. Tanto Williams como a Sauber lutaram por pódios várias vezes nesta temporada, e até mesmo a Force India produziu um bom carro, especialmente na segunda parte da temporada, quando Hülkenberg chegou a liderar boa parte do Grande Prêmio do Brasil. Sendo assim, o alvo da Caterham é claramente a Toro Rosso, sendo a nona no Campeonato de Construtores, e realmente tendo que lutar bastante para marcar pontos na maior parte da temporada.

Eu escolhi o tempo da etapa Q1 do treino de classificação, porque isso mostra melhor a velocidade do carro do que os tempos na corrida, e também porque de qualquer maneira a Toro Rosso está a todo vapor no Q1. As grandes equipes, muitas vezes conseguem passar pelo Q1 com um composto mais duro de pneus, mas este fator de confusão está felizmente ausente aqui, já que a Toro Rosso está sempre tentando salvar seu traseiro no Q1. Como eu já disse antes, eu me recusei a comparar o tempo da Caterham com a volta de uma Force India quebrada ou uma Toro Rosso perdida, então eu peguei a melhor Caterham contra a melhor Toro Rosso em cada Q1. Eu também removi pistas que estavam ausentes em 2011 ou 2012, como Istambul, Austin e as pistas alemãs, com a intenção de remover o maior número possível de variáveis e fatores de confusão.

Vamos ao que interessa

Um par de planilhas depois, e nós podemos responder à pergunta que não quer calar: estará a Caterham se aproximando das equipes médias? Caterham, para onde vais? Quo vadis?

O primeiro gráfico mostra que a resposta é sim e não. A Caterham melhorou de 101,6% do tempo de volta da Toro Rosso em 2011, para 101,3% em 2012, uma melhora bastante marginal. Isso explica por que havia tão pouca esperança de marcar pontos nesta temporada. E também temos que levar em consideração que a Toro Rosso parece pior este ano do que em 2011.

Vamos supor que você não gosta deste raciocínio percentual, e prefere pensar em segundos e décimos. Isso é fácil, com minha poderosa planilha:

OU seja: a Caterham estava um segundo e meio atrás da Toro Rosso em 2011, e conseguiu tirar 0,3 segundo para este ano, chegando a 1,24 segundo. Diz-se que o KERS significa cerca de três décimos por volta, e o KERS foi justamente o grande upgrade da Caterham para esta temporada. Isso é preocupante, já que não há um upgrade desse porte para 2013. Pior ainda, a Marussia poderia arranjar um KERS para 2013. Sem contar que a Toro Rosso foi chamada às falas pelo seu dono , exigindo melhores resultados.

Esse é o lado cruel de ser um construtor na F1: você melhora, mas o seu inimigo geralmente faz o mesmo. Qualquer carro razoável geralmente fica 2 segundos por volta mais rápido no decorrer da temporada, de modo que ganhar terreno sobre a concorrência é uma batalha difícil. Essa mensagem pode valer também para o combo Hamilton / Mercedes. Sem grandes alterações nas regras técnicas para o ano que vem, a Caterham pode ter mais um ano duríssimo em 2013. Fica a esperança para a sacudida de 2014. Lewis e seu novo Silver Arrow poderiam dizer a mesma coisa.

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:

26 Especial de Premiação para o Asno Volante, Mega Ultrapassagem e Melhor Piloto 2012

Para ouvir, clique Play:

Edição especial do PF1BR, com a entrega dos Troféus gerais de 2012. Fizemos a soma de todos os vencedores de cada Podcast F1 Brasil de 2012, nas categorias Asno Volante, Mega Ultrapassagem e Troféu Podcast F1 Brasil (Melhor Piloto).

Convidados desde episódio:

Carlos Valesi, do Melhor Blog sobre Nada.

Washington Luiz Demosthenes, do Esporte e Motor

Eduardo Casola Filho, do F1 Social Club

Troféu Asno Volante: os cinco primeiros em 2012 foram Grosjean, Webber, Senna, Maldonado e Schumacher, não necessariamente nessa ordem. Confira o vencedor no áudio!

Encaminhamos via Fedex o troféu Asno Volante (no caso, um burro vivo e saudável) para o vencedor
Encaminhamos via Fedex o troféu Asno Volante (no caso, um burro vivo e saudável) para o vencedor

Troféu Mega-Ultrapassagem: os seis primeiros em 2012 foram Alonso, Massa, Webber, Vettel, Kimi e Hamilton. Não necessariamente nessa ordem. Confira o vencedor no áudio…

Exemplo de Mega Ultrapassagem. Kimi sobre Schumacher na descida para Eau Rouge
Exemplo de Mega Ultrapassagem. Kimi sobre Schumacher na descida para Eau Rouge

Troféu Podcast F1 Brasil: os cinco primeiros em 2012 foram Vettel, Massa, Button, Alonso e Hamilton. Pois é, não necessariamente nessa ordem. Confira o vencedor no áudio etc.

Links e notícias usados ou mencionados neste episódio:

Kimi ultrapassa Schumacher na descida para a Eau Rouge… em 2004! (vídeo)

Notas dos pilotos em 2012, por Livio Oricchio do Estadão: parte 1, parte 2 e parte 3.

Tivemos Podcast F1 Brasil em todas as etapas do ano, com troféus e tudo, desde o GP da Austrália até o gran finale no GP do Brasil.

Premiação FUFA Awards no F1 Social Club

Artigo de Carlos Del Valle sobre a Caterham publicado no Sidepodcast

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar: