21 Troféus da Coréia, Massa em alta, previsões para a Índia

Para ouvir, clique Play:

(Eba! Hoje com sobras de estúdio no final).
Edição com a distribuição (tardia) dos troféus do GP da Coréia, além de muita análise do passado, presente e futuro de Felipe Massa na Ferrari, e previsões sobre a disputa de Vettel a Alonso a partir do GP da Índia.

Convidados desde episódio:

Eduardo Casola Filho, do F1 Social Club

Washington Luiz Demosthenes, do Esporte e Motor

Massa: seguindo Alonso mais de perto
Massa: seguindo Alonso mais de perto

Massa: comparação com Alonso, atual momento, causas da má fase

Troféu Asno Volante: disputa entre Kobayashi e Perez

Troféu Mega-Ultrapassagem: disputa entre Massa, Hülkenberg e Raikkonen

Troféu Podcast F1 Brasil: disputa entre Vettel, Alonso e Massa

Vettel: vai ser tri? É a tendência, se alternadores e motores permitirem
Vettel: vai ser tri? É a tendência, se alternadores e motores permitiremVettel: vai ser tri? É a tendência, se alternadores e motores permitirem

Pergunta fácil: primeira vitória de Vettel

Pergunta difícil: quando Vettel assumiu a liderança em 2010

Links e notícias usados ou mencionados neste episódio:

Teste privado da Ferrari, em busca de upgrades aerodinâmicos

Melhores pilotos na Coréia, por James Allen

Vídeos oficiais da F1, com Vettel no Brasil se comparando a Senna

Resposta pergunta fácil

Vettel, a estréia do fenômeno

Resposta pergunta difícil

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:

Massa fica na Ferrari: repercussões (quem gostou e quem ficou azedo)

Quer curtiu e quem torceu o nariz para a renovação do brasileiro
(Este é um artigo escrito, portanto não clique Play! Teremos podcast nos próximos dias)

Fiquei impressionado com a negatividade de muitos torcedores em relação ao anúncio da permanência de Felipe Massa na Ferrari para 2013. Já tínhamos a impressão de que a Scuderia esperava uma mínima recuperação do brasileiro para renovar seu contrato, e foi o que aconteceu. Muita especulação, com um editor da Autosport até cravando que Nico Hulkenberg ficaria com a vaga, mas no fim das contas o que a Ferrari queria era um Massa razoável, e foi o que tiveram.

O leilão da vaga de Felipe Massa impressionou até mesmo Stefano Domenicali, que afirmou ao Livio Oricchio do Estado de S. Paulo:

“Só faltou o Batman vir se oferecer aqui para mim” (Stefano Domenicali, diretor da Ferrari).

Com o anúncio, o que não faltou foi gente ridicularizando o piloto paulista. As frases a seguir foram todas retiradas dos comentários de blogs grandes de Fórmula 1, ou da página do Globoesporte:

Seria muito melhor se tivesse assinado com a Sauber!

 

A ferrari gosta de jogar dinheiro fora, insistindo com esse medíocre motorista de 5a. categoria.

 

Sobre Massa: mais um ano p/servir cafezinho…. paciência… é o preço que ele acha q vale…

 

Por favor, a algum piloto disponivel para representar o Brasil. Obs: que queira ser 1º PILOTO.

 

será mais uma vez “pau mandado”, só pra dizer para nós brasileiros q pilota uma ferrari, É uma pena eu gosta de corrida vendo um brasileiro so obedecendo ordens esse cara e uma vergonha para nos que gostamos deste esporte, pode até ser milhonario

(Erros de português mantidos para efeitos de diversão).

Vâmu detoná em 2013!
Vâmu detoná em 2013!

Por outro lado, fiquei feliz em ver que a maioria dos colunistas especializados de Fórmula 1 não somente viu a renovação como lógica para ambas as partes, como também favorável para o torcedor brasileiro de Fórmula 1.

Por que Massa não foi para outra equipe? É a pergunta de muitos. Primeiro porque pilotar para a Ferrari significa possibilidades maiores de poder lutar pelas primeiras colocações. As outras opções, nesse sentido talvez até melhores, seriam Red Bull e McLaren. Mas quem disse que essas escuderias desejavam Massa? (Livio Oricchio, do Estado de S. Paulo)

Até mesmo Flávio Gomes me pareceu lúcido, até porque não há Senna ou Barrichello envolvidos na parada:

Sou pela permanência. Sair para onde? Para vencer corridas de vez em quando, andar na ponta com alguma frequência, levar uns troféus para casa, ou o cara corre na Ferrari, ou na Red Bull, ou na McLaren. Na Lotus e na Mercedes também dá — mas aí, precisa dar uma sorte do tamanho do mundo. Nenhuma delas tem vaga. Nenhuma delas negociou com ele. A opção única era ficar em Maranello, mesmo ganhando menos. Era isso, ou descer alguns degraus, dar alguns passos atrás na carreira. (Flavio Gomes)

E Rodrigo Mattar, do Sportv, lembra que a vida não é fácil ao lado de Alonso, mas n’ao porque fugir da luta:

Acredito que tenha sido a escolha ideal para 2013 e explico o porque. (…) foi a melhor escolha diante das circunstâncias. Para nós, é fácil falar que a Ferrari deveria trocar Massa por “sangue novo” (…) Sei que o torcedor brasileiro ficou mal-acostumado com os títulos conquistados por Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna e que o jejum de 21 anos tende a aumentar(…) Massa teve a sua chance de ser campeão de 2008 e, por força das circunstâncias, o campeonato não veio. Ele terá que aprender a lidar com isso e principalmente com o fato de ter como companheiro de equipe um extraclasse, o maior piloto de toda a sua geração. (Rodrigo Mattar, Sportv)

O que eu achei? Claro que achei positivo. Nunca achei uma boa ir para a Sauber, que parecia a única alternativa real. Apesar da cornetagem excessiva de partes da torcida, o fato é que a Ferrari depositou sua confiança em pilotos brasileiros por 14 anos seguidos, somando-se as eras BAR e MAS. E se Massa teve seus demônios internos nestes últimos anos, isso não é motivo para ir para um time pequeno. Ninguém sai do Corinthians ou Flamengo para ir para o Novorizontino ou Ituiutaba. E claro que Alonso é o primeiro piloto, mas não acredito que haja nada para impedir Massa de ganhar ou mesmo enfrentar Alonso se for bem no início do ano, como bem disse Livio Oricchio:

Fernando Alonso tem a preferência da equipe porque se mostrou mais capaz de Massa. E a partir do momento que a escuderia compreendeu que um de seus pilotos tem possibilidades maiores de lhe dar mais resultados, e no caso de Alonso, este ano, possibilidades muito maiores, concentrou seus esforços nele. Não é proibido Massa ganhar corridas. Para isso é preciso ser mais veloz que Alonso nas classificações e posicionar-se nas corridas de forma a estar na frente do companheiro. Fácil? Extremamente difícil por Alonso ter as notas mais altas em todos os quesitos de avaliação de um piloto, como velocidade, regularidade, visão de corrida, capacidade de acertar o carro, inteligência, determinação, dedicação, dentre outros. (Livio Oricchio, Estado de S. Paulo).

Quem sabe um belo 2013 não faça muita gente mudar de idéia e ter mais respeito com um cara que pode ter seus defeitos, mas é um lutador e enfrenta as agruras com muita dignidade. Falamos sobre a trajetória de Massa desde os primórdios antes da Fórmula 1 no nosso programa número 15 – Felipe Massa: Passado, Presente e Futuro. Ao ouvir o programa dá para ver que a vida nunca foi fácil para Massa, com mega-companheiros de equipe, azar em horas decisivas e defeitos que não o diminuem em nada.

Talvez a última chance de reviver os bons tempos de 2008
Talvez a última chance de reviver os bons tempos de 2008

Links e notícias usados ou mencionados neste episódio:

Massa pode receber boa notícia, por Livio Oricchio (Estado de S. Paulo)

Sem surpresas, por Rodrigo Mattar

Massa fica, por Flavio Gomes

Confirmação de Massa na Ferrari é uma boa notícia (Livio Oricchio, Estado de S. Paulo)

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:

20 GP do Japão – Batalha dos Samurais ficando sangrenta

Para ouvir, clique Play:

Edição sobre o GP do Japão de Fórmula 1, disputado no clássico circuito de Suzuka.

Convidado desde episódio:

Carlos Valesi, do Melhor Blog sobre Nada

Brasileiros: Bruno Senna, azar no sábado, ruim no domingo. Conseguiu ser indicado para Asno Volante e para Mega Ultrapassagem.

Outro brasileiro: Massa, mal no sábado, mas ótima corrida no domingo, sendo indicado para o Troféu Podcast F1 Brasil para melhor piloto, e para o Troféu Mega Ultrapassagem.

NEGÓCIO TÁ FEIO PRO SEU LADO, VÉI
NEGÓCIO TÁ FEIO PRO SEU LADO, VÉI

Troféu Asno Volante: candidatos Grosjean (sério?), Senna e Perez.

Troféu Mega-Ultrapassagem: candidatos Schumacher, Senna, Perez.

Troféu Podcast F1 Brasil: entre Vettel, Massa, Kobayashi. A velha polêmica da vantagem de equipamento.

SERÁ QUE O SAMURAI NAS COSTAS DEU AZAR?
SERÁ QUE O SAMURAI NAS COSTAS DEU AZAR?

Pergunta fácil: meio difícil (pódio do GP do Japão 1990)

Pergunta difícil: meio fácil (pódio do GP do Japão 1990, ué)

Links e notícias usados ou mencionados neste episódio:

Resposta da pergunta

Melhor piloto por James Allen

Música podsafe / Creative Commons: Brother Love e American Heartbreak

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar:

Hamilton quebra o silêncio, e fala sobre as negociações

Inglês teria decidido sobre mudança para Mercedes após o GP de Cingapura
(Este é um artigo escrito, portanto não clique Play! Teremos podcast na semana que vem)

No alto de um prédio de 28 andares, Lewis Hamilton resolveu conversar com o repórter Tom Cary, do Daily Telegraph. É a primeira vez que Lewis fala sobre a saída da McLaren, desde seu anúncio na sexta-feira passada. Na ocasião, foi liberado apenas o habitual press release com palavras diplomáticas, nada muito revelador.

Hamilton disse que a McLaren vinha perguntando a ele sobre a renovação de contrato desde o GP da China de 2011, quase um ano e meio atrás. “Houve até prazos para dar uma resposta, mas não cumpri nenhum deles”, disse o piloto, “foi muito difícil, bastante duro, mas agora que tomei a decisão, estou me sentindo bem melhor”.

Ya no se encantarán mis ojos en tus ojos, ya no se endulzará junto a ti mi dolor. Fui tuyo, fuiste mía.
Ya no se encantarán mis ojos en tus ojos, ya no se endulzará junto a ti mi dolor. Fui tuyo, fuiste mía.

Apesar de Eddie Jordan ter mencionado que o acordo havia sido feito semanas atrás, Hamilton insistiu que só fechou o negócio após o GP de Cingapura. “O abandono na corrida não teve nada a ver com a decisão”, disse ele, “foi como um pêndulo, um vaivém, porque num momento eu pensava ‘vamos em frente’, mas no momento seguinte eu pensava ‘vou ficar’. Por isso eu esperei tanto: eu queria ter certeza que eu ia me fixar definitivamente com um  ou outro desses dois sentimentos”.

Hamilton afirmou que “mesmo antes do abandono em Cingapura, eu já vinha com esse sentimento, e dessa vez não fiquei balançando”. O piloto disse que foi para a Tailândia após o GP. “Estava tudo calmo e pacífico lá, e fiquei horas à beira da piscina apenas pensando”.

“Não quero fechar portas”

Hamilton disse que o plano era não fechar portas com a McLaren, inclusive espera “estar saindo pela porta da frente”, e acrescentou que sempre terá a McLaren em seu coração. Uma das partes mais interessantes da entrevista foi o argumento para a transferência para a Mercedes, e o que ele disse a Martin Whitmarsh na ligação mais dura de sua vida:

“Eu poderia ter ficado, seria fácil. As propostas eram muito semelhantes. Quando Martin me perguntou o que mais ele poderia ter feito, eu disse ‘pra ser sincero Martin, é a questão do desafio, este é um passo que eu quero dar'”. Hamilton ainda acrescentou que “é parte do crescimento. Talvez seja meu último passo para a independência”.

Comparação a Schumacher

Hamilton fez a mesma comparação que muitos fãs e analistas têm feito nos últimos dias: com Michael Schumacher, que era bicampeão pela Benetton, e se transferiu para uma Ferrari que na época passava por uma fase bastante fraca. “Eu sei que alguns dos grandes pilotos saíram de uma equipe boa para uma equipe não tão boa e construíram um time vencedor. Michael (Schumacher), por exemplo, era campeão do mundo e foi para a Ferrari. Não temos nenhum outro piloto da F1 que ficou conhecido por ter feito algo assim. Espero que um dia possam dizer isso de mim”.

O que eu achei

Gostei muito da entrevista. Essa vontade de amadurecer, buscar novos desafios, sair da zona de conforto é positiva, e merece meu respeito. Tomara que a Mercedes construa um míssil de um carro, e que HAM esteja pau a pau com ALO e VET em 2013, e que todos eles se cuidem com PER…

Vem neném, neném vem, neném neném vem, neném neném vem...
Vem neném, neném vem, neném neném vem, neném neném vem…

Links e notícias usados ou mencionados neste episódio:

Este é o artigo original do Telegraph, para quem quiser gastar o inglês

Feed do Podcast F1 Brasil: http://feeds.feedburner.com/PodcastF1BrasilPodcast

Para compartilhar: